Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 61 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 61 (October 2017)
V3‐29
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.271
Open Access
FÍSTULA RETOVAGINAL: DA COLOSTOMIA AO AVANÇO DE RETALHO DE MARTIUS
Visits
4061
Annata Teixeira Della Costa, Jean Carlo Barbosa, Gabriel Felipe de Lima Delfino, André Pereira Westphalen, Raphael Flavio Fachini Cipriani, Geanine Baggio Fracaro, Allan Cezar Faria Araujo
Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Huop), Cascavel, PR, Brasil
This item has received
4061
Visits

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text

Introdução: As fístulas retovaginais (FRV) constituem grande desafio para o cirurgião colorretal. Definidas como uma comunicação anormal entre o trato gastrointestinal baixo e a vagina, na maioria das vezes resultam de trauma obstétrico ou cirurgia ginecológica/perineal. Trauma, doença inflamatória intestinal, radioterapia e neoplasias estão entre causas menos comuns. O tratamento é eminentemente cirúrgico e diversas técnicas podem ser usadas. A cirurgia de Martius (CM), desenvolvida no século XX na Alemanha por Henrich Martius, originalmente era usada para tratamento de incontinência urinária feminina causada por estresse. Foi adaptada no decorrer dos anos e usada para o reparo de diversas desordens pélvicas, demonstrou bons resultados no tratamento das FRV recidivantes.

Descrição:V.M., 46 anos, admitida na Emergência no 30° dia de pós‐operatório de perineoplastia posterior, queixava‐se de saída de conteúdo fecaloide via vaginal. Ao exame especular, visualizou‐se comunicação retovaginal, 5cm proximal ao introito vaginal, associada a processo inflamatório, foi indicada a sigmoidostomia em alça. No sétimo mês de seguimento houve aparente cicatrização completa da FRV e fez‐se a decolostomia. Na semana seguinte apresentou recidiva da fístula que exigiu nova sigmoidostomia. Nos quatro meses seguintes foram feitas duas correções com retalho mucoso do reto sem sucesso. Devido ao quadro de fístula retovaginal recidivante, optou‐se pela CM para correção. Fixou‐se o músculo bulbocavernoso com pedículo viável e bem vascularizado na parede posterior da vagina que cobria o orifício fistuloso prévio.

Discussão: As FRV são patologias de difícil manejo e a literatura atual é limitada em relação ao manejo. A CM é recomendada para correção de FRV recidivantes, estudos demonstram taxas de sucesso de 50‐100% e com poucas complicações pós‐operatórias, é uma boa opção para FRV localizadas em reto médio ou baixo.

Conclusão: No presente caso a CM foi feita segundo a técnica descrita na literatura. A paciente encontra‐se no 60ª dia de pós‐operatório sem sinais de recidiva de fístula.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.