Journal of Coloproctology Journal of Coloproctology
J Coloproctol. (Rio J.) 2017;37:255-62 - Vol. 37 Num.3 DOI: 10.1016/j.jcol.2017.06.001
Review Article
Coloretal cancer in pregnant women
Cancro colorectal na mulher grávida
Helena Margarida Cruz Gensa,, , Laura Elisabete Ribeiro Barbosaa,b
a Universidade do Porto, Faculdade de Medicina, Porto, Portugal
b Centro Hospitalar São João, Serviço de Cirurgia Geral, Porto, Portugal
Received 01 February 2017, Accepted 19 June 2017
Abstract
Background

Colorectal cancer in pregnancy is a rare pathology with limited high-grade evidence available for guidance. The diagnosis of CRC in pregnant women is usually delayed, and once diagnosis is made, challenges exist as treatment options may be limited.

Objective

The study aims to highlight the importance of early investigation of symptomatic patients during pregnancy, as well as to update treatment and prognosis in CRC.

Methods

A literature search in PubMed database, including articles from 2006 to 2016 and cross-research articles with the initial research.

Results

Pregnancy can limit and contraindicate the utilization of standard diagnostic and therapeutic tools, which in particular can hamper the liberal use of colonoscopy and CT. Physical evaluation and abdominal US are first recommended; besides, MRI or CT may be used, only in indicated cases. Surgery is the main stay of treatment but radiotherapy and chemotherapy have significant role in posterior management of tumour.

Conclusions

Many studies are needed in order to achieve development in CRC pathogenesis during pregnancy as well as in treatment outcomes. The potential curative treatment of the disease should be the main aim of treatment when considering CRC in pregnancy. However, it is crucial to adapt the treatment to each patient, taking into account conscious decision on pregnancy further management.

Resumo
Introdução

O cancro colorretal na gravidez é uma patologia rara, com limitada evidência científica para orientação terapêutica. O diagnóstico de cancro coloretal em mulheres grávidas é tardio e, quando o diagnóstico é feito, as opções de tratamento podem ser limitadas.

Objetivo

O objetivo deste estudo é ressalvar a importância da investigação precoce de pacientes sintomáticas durante a gravidez, assim como avaliar os atuais métodos de tratamento e prognóstico no CCR.

Métodos

A pesquisa bibliográfica foi realizada na base de dados PubMed, incluindo artigos a partir de 2006 até 2016, assim como artigos de pesquisa cruzada com os artigos iniciais.

Resultados

A gravidez pode limitar e contra-indicar a utilização de ferramentas de diagnóstico e terapêuticas convencionais, assim como dificultar o uso indiscriminado de colonoscopia e tomografia computadorizada. A avaliação física e a ecografia abdominal são a primeira linha para diagnóstico. No entanto, em casos selecionados, a ressonância magnética ou a tomografia computadorizada também podem ser usadas. A cirurgia é o gold-standard mas a radioterapia e a quimioterapia assumem um papel cada vez mais relevante no tratamento multidisciplinar destes tumores.

Discussão

Como os sintomas abdominais são comuns na gravidez e cancro coloretal pode simulá-los, o diagnóstico diferencial entre estas duas patologias é crucial, já que intervenções precoces podem ser curativas. Após diagnóstico, o seguimento das grávidas deve ser individualizado, dependendo de vários fatores. Porém, já que atualmente o tratamento do cancro é possível na gravidez, a probabilidade de sobrevivência da paciente não deve ser diminuída devido ao diagnóstico tardio.

Conclusões

Mais estudos são necessários para saber mais acerca da patogénese do cancro coloretal na gravidez, assim como os resultados após tratamento. O potencial objetivo é o tratamento oncológico do cancro coloretal. No entanto, é crucial adaptar o tratamento a cada paciente, tendo em conta a sua decisão consciente acerca da continuação da gravidez.

Keywords
Colon cancer, Rectal cancer, Pregnancy, Cancer diagnosis, Cancer treatment
Palavras-chave
Cancro do cólon, Cancro do reto, Gravidez, Diagnóstico do cancro, Tratamento do cancro
J Coloproctol. (Rio J.) 2017;37:255-62 - Vol. 37 Num.3 DOI: 10.1016/j.jcol.2017.06.001