Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 63-64 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 63-64 (Outubro 2017)
V4‐35
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.277
Open Access
CORREÇÃO DE PROLAPSO RETAL COM RETOPEXIA VENTRAL VIDEOLAPAROSCÓPICA EM PACIENTE COM DOENÇA DE EHLERS‐DANLOS
Visitas
492
Diego Santana Porcari Dias, Renato de Oliveira Flores, Leonardo Machado de Castro, Ricardo Junio Garcia, Atila Haddad Crieler, Silvano Cambruzzi, Vanessa Souza Carvalho
Hospital Federal da Lagoa, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Este item recebeu
492
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Objetivo: Demonstrar a eficácia e segurança da técnica em paciente com distúrbio do colágeno.

Resumo de caso: Paciente M.J.A., 49 anos, portador de doença de Ehlers‐Danlos, apresentava prolapso retal recidivado após tentativa de correção por via perineal através de procedimento de Delorme, foi submetido a retopexia ventral videolaparoscópica com tela biológica. Foi feito um acesso laparoscópico para permitir o procedimento. Durante a manipulação inicial das alças intestinais notou‐se uma grande friabilidade tecidual, o que motivou a feitura de toda liberação do reto com tração delicada em suas paredes posterior, laterais com preservação das artérias retais médias e anterior até o nível da próstata. Feita sutura de tela biológica, colocada ventral ao reto, em região anterior de reto distal e no promontório com pontos separados de prolene 2‐0. Paciente recebeu alta no segundo dia de pós‐operatório. Permanece em acompanhamento ambulatorial sem recidiva do quadro.

Conclusão: O prolapso retal é uma protrusão de todas as camadas do reto no sentido anal, caracteriza um aspecto clínico de um tumor anal, inicialmente ele resulta de um esforço intenso com uma redução espontânea e posteriormente ele resulta de um esforço menor com dificuldade na redução. A incidência é maior em mulheres e em pacientes com defeitos na síntese de colágeno. O diagnóstico é essencialmente clínico e o tratamento é cirúrgico. A síndrome de Ehlers‐Danlos (SED) é um grupo heterogêneo de doenças hereditárias do tecido conjuntivo, devido a alterações genéticas que causam defeitos no colágeno. O tecido conjuntivo pode causar ou predispor os afetados, entre muitos outros problemas, ao desenvolvimento de hérnias, hipotonia (baixo tônus) muscular, atrasos no desenvolvimento motor, problemas cardíacos (tais como prolapso da válvula mitral, dilatação da veia aórtica, ruptura espontânea de artérias), prolapso (útero, reto), ruptura de órgãos internos, problemas nos olhos (descolamento de retina por exemplo, miopia, estrabismo etc), o desenvolvimento precoce de osteoartrite (doença articular degenerativa), osteopenia e osteoporose.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.