Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 62 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 62 (Outubro 2017)
V3‐32
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.274
Open Access
RELATO DE CASO DE TRATAMENTO DE FÍSTULA ANAL COMPLEXA COM PLUG ANAL
Visitas
1507
Caio Cirillo Freitas da Silva, Jorge Benjamin Fayad, Luciana Paes Peixoto Netto, Priscila Ribeiro Brisolara, Marcelo Neves Carvalho, Vinicius Amaro Chagas Mesquita, Alexandre Queiroz Franco Henriques
Hospital Federal de Ipanema, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Este item recebeu
1507
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: Fístulas anais são caracterizadas por trajetos que comunicam duas superfícies epitelizadas, canal anal com pele perianal, ou perineal como consequência de um abscesso anorretal. A diversidade de apresentação dos abcessos perianais explica as múltiplas possibilidades dos trajetos fistulosos, mais comumente classificados em interesfincterianas, transesfincterianas, supraesfincterianas e extraesfincterianas. O plug anal é confeccionado a partir de matriz extracelular da submucosa intestinal de suínos composta por fibras colágenas, glicosaminoglicanos, proteoglicanos, glicoproteínas e fatores de crescimento que podem se tornar biocompatíveis com o tecido do hospedeiro entre quatro e 12 semanas.

Objetivo: Relatar o caso de uma fístula complexa tratada com plug anal.

Relato de caso: Paciente masculino, 46 anos, notou havia dois anos abaulamento com sinais flogísticos e posterior drenagem espontânea de secreção purulenta, em nádega direita. Desde então permanecia saída de secreção, com episódios intermitentes semelhantes ao da primeira crise. Ao exame proctológico: Inspeção ‐ orifício externo posterior direito a 6cm da borda anal, trajeto curvilíneo para borda anal mediana posterior, sem saída de secreção; Toque ‐ normotônico, fibrose mediana posterior, pode corresponder a orifício interno; Retossigmoidoscopia ‐ até 15cm mucosa visualizada sem alteração. Cliente foi então submetido à correção da fístula com plug anal, em 06/10/16.

Resultados: No terceiro mês de pós‐operatório apresentava orifício externo fechado, fissura residual mediana posterior, na borda anal, correspondente à área de sutura por sobre a extremidade interna do plug, tratada com aplicação de albocresil.

Conclusões: A taxa de sucesso com uso desse dispositivo vária entre 13,9 e 83%, prejudica a feitura de novos procedimentos para tratamento da fístula, surge como opção para doenças complexas e com comprometimento importante da musculatura esfincteriana anal.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.