Compartilhar
Informação da revista
Vol. 38. Núm. S1.
Páginas 126-127 (Outubro 2018)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 38. Núm. S1.
Páginas 126-127 (Outubro 2018)
TL20
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.272
Open Access
RESSECÇÃO TRANSANAL DE GIST EM RETO BAIXO APÓS TERAPIA NEOADJUVANTE
Visitas
190
Rafael Vaz Pandini, Francisco Tustumi, Caio Sergio Rizkallah Nahas, Sergio Silveira, Ulysses Ribeiro, Sergio Carlos Nahas, Ivan Ceconello
Faculdade de Medicina (FM), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Este item recebeu
190
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: Os tumores estromais gastrointestinais (GIST) são a neoplasia de células mesenquimais mais comum do trato gastrointestinal. Embora o GIST possa surgir em qualquer local do trato gastrointestinal, os locais mais comum são o estômago e o intestino delgado, menos de 5% dos casos são de origem no reto.

Objetivo: Relatar um caso sobre GIST retal com ressecção local após neoadjuvância com Imatinib.

Método: Paciente de 56 anos, masculino, com queixa de tenesmo e puxo há 1 ano. Exame proctológico evidenciou massa de 7cm de extensão em parede lateral esquerda, logo acima da linha pectínea. Colonoscopia evidenciou massa regular, recoberta com mucosa lisa. A biópsia transretal evidenciou neoplasia epitelióide com 3 mitoses por 10 campos de aumento, imunohistoquímica positiva para c‐kit e negativa para actina de músculo liso e proteína‐S, confirmando o diagnóstico de GIST retal. RNM evidenciou lesão invadindo musculatura esfincteriana externa e fascia mesorretal. Paciente recebeu Imatinib 400mg/dia por 6 meses. E foi submetido à ressecção local transretal após regressão da lesão que evidenciou massa de 4,3cm de extensão, com células tumorais viáveis em 5% da massa tumoral e com margens livres.

Resultados: Paciente retornou ao uso do Imatinib. O seguimento de 12 meses não evidenciou recidiva da lesão nem sintomas intestinais.

Conclusão: A cirurgia é o principal tratamento para o GIST ressecável. Atualmente a excisão local tem ganhado mais emprego graças ao uso da terapia neoadjuvante.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.