Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 60 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 60 (Outubro 2017)
V3‐27
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.269
Open Access
RETALHO DE MARTIUS PARA CORREÇÃO DE FÍSTULA RETOVAGINAL NA DOENÇA DE CROHN: UMA DEMONSTRACÃO TÉCNICA PASSO A PASSO
Visitas
814
Diogo Araujo Ribeiro, Ramir Luan Perin, Patricia Zacharias, Renato Vismara Ropelato, Ivan Folchini de Barcelos, Eron Fabio Miranda, Paulo Gustavo Kotze
Hospital Universitário Cajuru, Curitiba, PR, Brasil
Este item recebeu
814
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: Há múltiplas opções técnicas para a correção das fístulas retovaginais (FRV) na doença de Crohn (DC). A mais usada é a rotação de retalho de avanço retal, porém os resultados nas fístulas secundárias à DC são inferiores aos encontrados nas fístulas por outras etiologias. Entre as técnicas com interposição tecidual, o retalho de Martius se destaca como técnica perineal com resultados promissores, principalmente em pacientes com cirurgias de retalho de avanço prévias. O objetivo do presente vídeo é demonstrar a feitura da cirurgia do retalho de Martius para correção de FRV em portadora da DC e discutir os passos técnicos detalhadamente.

Descrição técnica: Os autores demonstram a feitura da técnica em seus diversos passos. Inicialmente, cateterização vesical e uso de afastador Lone‐star. Posteriormente, procede‐se à abertura da vagina na parte posterior, com dissecção do septo retovaginal até 2cm cranialmente ao orifício da fístula. Faz‐se uma sutura na parede muscular retal em X com fio absorvível. Prossegue‐se com a abertura da pele 1cm lateralmente ao grande lábio, com incisão vertical com cerca de 6cm, com dissecção do músculo bulbocavernoso e mantém‐se seu pedículo inferior. Através de um túnel subcutâneo roda‐se o retalho por sobre o local prévio da fístula, é suturado com fios inabsorvíveis sobre o septo retovaginal. Encerra‐se o procedimento com o fechamento da vagina com fio inabsorvível.

Conclusões: O retalho de Martius é uma opção consistente no manejo das FRV complexas, mesmo em casos com retalhos mucosos prévios, em portadoras de DC.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.