Compartilhar
Informação da revista
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 63 (Outubro 2017)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 37. Núm. S1.
Páginas 63 (Outubro 2017)
V4‐34
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.276
Open Access
TRATAMENTO DE FÍSTULA RETOVAGINAL COM RETALHO DE MÚSCULO GRÁCIL
Visitas
1963
Gabriela Maciel Cordeiro, Renato Gomes Campanati, Gabriel Braz Garcia, Beatriz Deoti, Kelly Christine de Lacerda Rodrigues Buzatti, Ana Carolina Parussolo André, Rodrigo Gomes da Silva
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Este item recebeu
1963
Visitas

Under a Creative Commons license
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

Introdução: As fístulas retovaginais são comunicações anormais entre o reto e a vagina. Os fatores predisponentes consistem em trauma (principalmente resultantes de cirurgias obstétricas), doença inflamatória intestinal, infecção, tumor e história prévia de radiação pélvica. Múltiplos procedimentos cirúrgicos são descritos para o tratamento e a taxa de sucesso diminui a cada tentativa de reparo adicional.

Descrição do caso: Paciente, 47 anos, sexo feminino, história de carcinoma de células escamosas de colo uterino, havia sido submetida a quimioterapia, braquiterapia e radioterapia. Seis meses após o término de tratamento, evoluiu com fístula retovaginal. Confeccionado estoma, seguido de tratamento cirúrgico da fístula com retalho de músculo grácil. Apesar de a operação ter sido tecnicamente adequada, no 63° dia de pós‐operatório apresentou recidiva de fístula. Em seguimento ambulatorial, com proposta de nova abordagem cirúrgica.

Discussão: A presença de inflamação, infecção e tecido cicatricial local torna inadequada a escolha do reparo primário no tratamento das fístulas retovaginais e está relacionado à falha de procedimentos cirúrgicos subsequentes. Os tratamentos locais com retalhos de avanço ou biomateriais são associados a taxas de recorrência relativamente altas, provavelmente devido ao volume inadequado de tecido bem vascularizado. A reconstrução através da interposição de tecidos autólogos (retalho de Martius e retalho de grácil, por exemplo) parece mais promissora por introduzir tecidos vascularizados e saudáveis, cria melhores condições para a cicatrização local e correção do defeito.

Conclusão: O manejo das fístulas retovaginais continua a ser um desafio. Independentemente da opção cirúrgica escolhida, a taxa de falha e a taxa de recorrência são elevadas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.