Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 187 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 187 (November 2019)
311
Open Access
ABLAÇÃO HEMORROIDÁRIA POR RADIOFREQUÊNCIA: EXPERIÊNCIA INICIAL NO BRASIL
Visits
...
Guzela Vra, Sobrado Junior Cwa, Pinheiro ALdCb, Pozzebon Aga, Boarini Lra, Souza Junior AHdSea, Hora Jaba, Quintanilha Aa
a Faculdade de Medicina (FM), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
b Clínica Campos Pinheiro, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Cirurgia Minimamente Invasiva, Novas técnicas cirúrgicas/Avanços Tecnológicos em Cirurgia Colorretal e Pélvicas e Anorretais

Categoria: Estudo clínico não randomizado

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Analisar a viabilidade de execução e a eficácia a curto prazo da técnica de ablação por radiofrequência da doença hemorroidária.

Método: Foram incluídos 10 pacientes com doença hemorroidária de graus II, III, IV ou mista, submetidos à ablação por radiofrequência com sonda HPR45i, sob raquianestesia, inserida em até 4 posições referentes aos mamilos, transmitindo até 2500J e atingindo temperaturas entre 125 e 130°C. Os pacientes foram avaliados pela “Proctological Symptom Scale – PSS” aplicada no pré-operatório, no 7° e 30° pós-operatório, além do exame físico e de um questionamento visual (escala de 0 a 10) do grau de satisfação final em relação a toda experiência terapêutica.

Resultados: Dez pacientes foram submetidos ao procedimento porém dois pacientes foram excluídos da análise por perda de seguimento e outro por apresentar fissura anal extensa no momento da cirurgia. Dos pacientes analisados, 75% eram do sexo feminino e 25% do sexo masculino, com idades entre 28 e 51 anos (média de 38,13±8,29 anos). Destes pacientes, 75% possuíam uma doença grau III, 12,5% possuíam grau II e 12,5% o grau IV. O tempo total da cirurgia foi de 18,25±5,36 minutos, com tempo de hospitalização de 10,13±1,36 horas. Todos os pacientes foram submetidos a raquianestesia e sedação. A média do PSS pré-operatório era de 5,2±1,1, com resultado no 7° pós-operatório de 1,4±0,9 e no 30° de 0,53±0,56. Não houveram complicações pós-operatórias e a média do questionário de satisfação no 30° dia foi de 8,0±1,8. No exame físico destes pacientes no 30° pós-operatório houve completa remissão em 75% dos casos. Dois destes pacientes apresentaram redução do grau da doença para grau I à anuscopia, dentre eles aquele que apresentava doença grau IV inicialmente.

Conclusão(ões): O procedimento foi de rápida execução e compatível com alta precoce. Os pacientes apresentaram importante redução do PSS e alto grau de satisfação em relação a toda experiência. Quando se compara este estudo a uma coorte alemã de 2018 que apresentava PSS inicial de 9,9 no pré e 1,1 no 90° pós-operatório, nota-se também uma queda expressiva atribuída à terapêutica, porém com discrepância dentre os valores basais. Não houveram complicações no pós-operatório recente, sendo a trombose externa o evento mais comum relatado no estudo alemão. Como limitações deste estudo, o pequeno número de pacientes incluídos impede uma análise estatística fidedigna e o curto tempo de seguimento não permite inferir os resultados a longo prazo. Devido à curva de aprendizado dos investigadores, todos os casos foram realizados sob raquianestesia, o que aumentou o custo e o tempo de hospitalização. Os procedimentos foram executados por dois profissionais responsáveis e, inicialmente, seus objetivos eram avaliações individuais do método. Conclui-se que o método é exequível, rápido, compatível com hospital dia e eficaz a curto prazo. Novos estudos que incluem maior número de pacientes, maior tempo de seguimento e realização sob anestesia local estão em andamento.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools