Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 17 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 17 (October 2017)
TL4‐038
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.337
Open Access
ANALGESIA PREEMPTIVA NO CONTROLE DA DOR PÓS‐OPERATÓRIA EM CIRURGIAS ORIFICIAIS – ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO
Visits
...
Alvaro Steckert Filhoa, Rubens Valarinib, Antonio Carlos Trottab, Henrique Luckow Invittib, Ana Helena Bessa Gonçalves Vieirab, Marcos Vinícius Nasser Holzmannb, Gisele Bernardib
a Gastro Medical Center, Florianópolis, SC, Brasil
b Hospital Universitário Evangélico de Curitiba, Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Avaliar a influência da analgesia preemptiva na dor pós‐operatória em cirurgias orificiais.

Método: Ensaio clínico randomizado, duplo‐cego, placebo controlado, com o objetivo de avaliar a analgesia preemptiva em cirurgias orificiais. Ofertou‐se a participação no estudo aos pacientes atendidos ambulatorialmente com indicação cirúrgica, na qual se orientou quanto ao estudo, ao preenchimento do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e ao fornecimento de uma escala visual analógica da dor (EVA) para posterior acompanhamento. Não participaram do estudo: desinteresse; alergia aos fármacos usados; cirurgia orificial prévia; antibióticos no pós‐operatório; não cumprimento das orientações pós‐operatórias e seguimento presencial e telefônico.

Resultados: Entre julho de 2016 e junho de 2017, 16 pacientes estavam aptos a participar do estudo: nove hemorroidectomias, duas esfincterotomias com fissurectomias, quatro fissurectomia e uma fistulotomia, com homogeneidade entre os grupos. Não houve diferença estatística, no que tange à dor, entre o grupo salina e o grupo anestésico no centro cirúrgico (2,00±3,46 contra 0,33±0,900 na EVA, p=0,762), no primeiro pós‐operatório (2,00±1,00 contra 2,67±2,51 na EVA, p=0,170), no segundo pós‐operatório (2,00±1,76 contra 4,20±0,96 na EVA, p=0,170), no terceiro pós‐operatório (1,33±2,39 contra 2,40±1,02 na EVA, p=0,770), no sétimo pós‐operatório (1,00±1,70 contra 1,33±1,52 na EVA, p=0,851) e no 14° pós‐operatório (1,25±0,47 contra 1,50±1,07 na EVA, p=0,138). A dor à primeira evacuação não apresentou diferença entre o grupo salina e anestésico (6,00±0,57 contra 5,00±1,26 dias, p=0,661), assim como o número de dias decorridos até a primeira evacuação (1,67±1,15 contra 3,70±0,97 dias, p=0,177).

Conclusão: A literatura é inconsistente quanto ao benefício da analgesia preemptiva em cirurgias orificiais. Não houve poder estatístico suficiente para inferências neste estudo até momento.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools