Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 115-116 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 115-116 (October 2017)
P‐098
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.099
Open Access
ANÁLISE COMPARATIVA DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS DOENÇAS INFLAMATÓRIAS INTESTINAIS EM 220 PACIENTES BRASILEIROS
Visits
...
Fabiola de Carlos da Rocha, Bruno Fontoura Cagliari, Thelma Larocca Skare, Gabriela Piovesani Ramos, Gustavo Caetano Giavarini
Faculdade Evangélica do Paraná (Fepar), Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A retocolite ulcerativa (RCU) e a doença de Crohn (DC) são doenças inflamatórias intestinais (DII) que cursam com sintomas gastrointestinais com repercussões sistêmicas inerentes ao processo patológico ou efeitos colaterais da terapia.

Objetivos: Comparar a epidemiologia, o quadro clínico, os medicamentos usados, a prevalência de comorbidades, as manifestações extraintestinais entre pacientes com DC e RCU.

Métodos: Estudo transversal, observacional e multicêntrico com 220 pacientes (70 DC; 150 RCU; 20% homens; idade mediana de 33 anos). Foram comparadas variáveis demográficas (idade, sexo) e clínicas (comorbidades, idade ao diagnóstico, medicamentos e presença de manifestações extraintestinais).

Resultados: Quanto ao comprometimento gastrointestinal na RCU: 92,5% dos pacientes tinham a doença restrita ao reto; 47,4% atingiam apenas um segmento e em 8,2% existia pancolite. Quanto à DC: 47,1% relataram acometimento de apenas um segmento; 1,4%, de quatro segmentos; a estenose segmentar existiu em 18,5% e o íleo foi a porção mais acometida (77,2%). A análise comparativa das DII não mostrou existir diferença quanto a sexo (p=0,27); idade de início de doença (p=0,48); número de comorbidades (p=0,86). As manifestações musculoesqueléticas foram as mais comuns (53,8%), mas não diferiram entre as DII (p=0,12 e 0,59 para periféricas e axiais respectivamente). Também não se detectaram diferenças na prevalência de manifestações cutâneas (p=0,87), uveíte (p=0,87); renais/urológicas (p=0,20); hepáticas (p=0,31) e pulmonares (p=1); 89,09% faziam uso diário de medicamentos. Mesalazina foi o medicamento mais usado (57,7%) e mais comum em RCU (p<0,0001), seguido de azatioprina (29,09%), que foi mais comum em DC (p=0,01). Em DC observou‐se maior uso de anti‐TNFα (p=0,0007), mas não existiram diferenças quanto ao uso do corticoide (p=0,85) nem antidepressivos (p=0,37).

Conclusão: O perfil clínico e epidemiológico das duas DII estudadas é, em nosso meio, muito semelhante, difere apenas nas características do envolvimento intestinal e de tratamento.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools