Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 216-217 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 216-217 (November 2019)
741
Open Access
Análise das duodenectomias em pacientes operados por polipose adenomatosa familiar
Visits
...
MdLS. Ayrizono, P.V. Guimarães, PdSP. Oliveira, E. Cazzo, F.C. Neto, E.A. Chaim, J.J. Fagundes, C.S.R. Coy
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré-malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Estudo clínico não randomizado

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Avaliar os pacientes que foram submetidos a tratamento cirúrgico por adenomas/adenocarcinomas de duodeno, previamente operados por Polipose Adenomatosa Familiar (PAF).

Método: Análise retrospectiva de prontuários médicos de doentes portadores de PAF, que foram submetidos a cirurgia para o tratamento da polipose duodenal entre julho de 2005 e julho de 2019. Todos tinham antecedente de cirurgia para polipose intestinal, sendo 7 (58,3%) Retocolectomia e reservatório ileal, 2 (16,7%) Colectomia e anastomose ileorretal, 2 (16,7%) Proctocolectomia com ileostomia definitiva e 1 (8,3%) Retocolectomia com anastomose ileoanal direta. Foram avaliados: idade, sexo, indicação do tratamento cirúrgico, cirurgia realizada, anatomopatológico do espécime cirúrgico e complicações pós-operatórias.

Resultados: No período, 12 doentes foram operados, sendo 6 (50%) do sexo feminino, e média de idade de 35,8 (21–59) anos por ocasião do procedimento cirúrgico. A indicação da cirurgia foi ocorrência de adenomas com displasia de alto grau ou adenocarcinoma, sendo baseado nos critérios de Spiegelman. Um paciente (8,3%) apresentava classificação de Spiegelman II; 6 (50%), III; e 3 (25%), IV. Um outro (8,3%) apresentava biópsia compatível com adenocarcinoma à endoscopia e outro (8,3%) não teve descrição endoscópica satisfatória para a classificação. As cirurgias realizadas foram: duodenectomia com preservação pancreática e reimplante de papila (11–91,6%) e gastroduodenectomia, também com preservação de pâncreas e reimplante de papila (1–7,1%). O estudo anatomopatológico do espécime cirúrgico não demonstrou malignidade em nenhum caso. Foram identificados adenomas tubulares e túbulo-vilosos com displasia de baixo e alto grau. As principais complicações que ocorreram no pós-operatório foram: fístula pancreática (8–66,6%), pancreatite (4–33,3%), infecção de ferida operatória (3–25%), insuficiência renal aguda (3–25%), fístula entérica (1–8,3%), abscesso intra-abdominal (1–8,3%), tromboembolismo pulmonar (1–8,3%) e edema agudo de pulmão (1–8,3%). Um paciente (8,3%) evoluiu pra óbito em decorrência de sepse abdominal, insuficiência renal aguda e edema agudo pulmonar.

Conclusão(ões): As cirurgias para tratamento de polipose duodenal apresentaram significativa taxa de complicações. Assim os critérios para a indicação cirúrgica devem ser rigorosamente avaliados uma vez que a evolução destes adenomas para carcinoma costuma ser lenta. Há também necessidade de uma avaliação criteriosa por parte do endoscopista e do patologista no seguimento destes pacientes.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools