Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 190-191 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 190-191 (November 2019)
831
Open Access
ANÁLISE DOS PARÂMETROS MANOMÉTRICOS PRÉ E PÓS‐BIOFEEDBACK EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DA EVACUAÇÃO EM SERVIÇO DE REFERÊNCIA
Visits
...
Sousa Mma, Veras Lbb, Regadas Smmb, Regadas Cmb, Moreira Aca, Ribeiro Mma, Silva Jcaa, Marques Gppb
a Hospital Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza, Fortaleza, CE, Brasil
b Hospital São Carlos, Fortaleza, CE, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças do assoalho pélvico/Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Analisar os parâmetros manométricos dos pacientes com constipação intestinal e incontinência fecal antes e após serem submetidos à terapia de reabilitação do assoalho pélvico com Biofeedback em serviço de referência.

Método: Estudo descritivo, retrospectivo e expositivo de pacientes com distúrbios da evacuação submetidos ao tratamento de Biofeedback. Idade e indicação foram analisados, assim como os seguintes parâmetros manométricos: pressão média de repouso (PMR), pressão voluntária máxima (PVM), capacidade de sustentação (CS) e presença de anismus.

Resultados: Avaliados 149 pacientes, com idade média de 59 anos. Desses, 113 apresentaram constipação, sendo 73 mulheres e 40 homens. No grupo de constipação, 51 (45%) apresentaram PMR dentro da normalidade, seguido de 24 (21%) com PMR abaixo da normalidade e, 38 (33,6%), acima. Em relação à PVM, 28 (24,7%) apresentaram PVM abaixo do limite inferior de normalidade, 21 (18,5%) acima e, 64 (56,6%), dentro dos valores normais. A CS foi dividida em boa, moderada, pouca e nenhuma, e foi verificado importante aumento de 70 para 108 casos no grupo com boa CS, de 2 para 3 casos no grupo com moderada CS, redução de 15 para 1 caso no grupo com pouca capacidade e de 4 para 1 caso no grupo com nenhuma CS. Identificados 107 (94%) casos de anismus, reduzidos para 71 (63%), após o Biofeedback. Noventa e quatro (83%) pacientes apresentaram boa resposta clínica ao Biofeedback; 10 (9%) pouca e 9 (8%) nenhuma resposta. No grupo com incontinência foram analisados 36 pacientes, sendo 33 mulheres e 3 homens. Em relação à PMR, foram observados 11 casos (30,5%) dentro da normalidade, 24 (66,6%) com PMR abaixo da normalidade e, 2 (2,7%), acima. Quanto à PVM, 30 (83,3%) apresentaram PVM abaixo do limite inferior de normalidade, 1 (2,7%) acima e, 5 (13,8%), dentro dos valores normais. A CS foi dividida nas mesmas categorias que no grupo de constipação, e foi verificado importante aumento de 9 para 19 no grupo com boa CS; de 0 para 3 casos no grupo com moderada CS, redução do grupo com pouca capacidade de 17 para 12 casos e de nenhuma CS de 10 para 2 casos. Identificado 22 (61,1%) casos de anismus, com uma discreta redução para 21 (58,3%) após o Biofeedback. Vinte e nove (80,5%) pacientes apresentaram boa resposta clínica ao Biofeedback, 6 (16,6%) pouca resposta e, 1 caso (2,7%), nenhuma.

Conclusão(ões): Os parâmetros manométricos avaliados podem ser considerados preditores de resposta ao tratamento clínico de distúrbios da evacuação com Biofeedback. A presença de anismus, porém, o é apenas para os casos cuja indicação é constipação intestinal.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools