Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 154 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 154 (October 2018)
TL77
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.329
Open Access
ANÁLISE PARA VALIDAÇÃO DE UM PLANO TERAPÊUTICO INDIVIDUALIZADO PELO SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA EM UM HOSPITAL DE ENSINO DE REFERÊNCIA
Visits
...
Isaac J.F. Correa Neto, Henrique Carvalho e Silva Figueiredo, Mariana Campello de Oliveira, Thais Yoko Ferreira Koga, Anderson de A. Maciel, Alexander de Sa Rolim, Laercio Robles
Hospital Santa Marcelina, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: No presente estudo, realiza‐se a compreensão de como se processa a assistência à saúde, nos níveis de especialidades, apoio diagnóstico e terapêutico, de média e alta complexidade em um Hospital de Ensino na cidade de São Paulo.

Objetivos: Identificar quais estratégias de gestão de riscos utilizadas e discutir a viabilidade e adequação de novas estratégias para compor um protocolo de cuidados e seguimento dos doentes e consubstancializar um plano terapêutico ampliado e individualizado.

Método: Trata‐se de estudo descritivo, exploratório e prospectivo, com total de 30 pacientes portadores de doença colorretal com necessidade de tratamento cirúrgico de grande porte acompanhados no ambulatório de Coloproctologia. No primeiro grupo, será aplicado este protocolo com a ciência somente do pesquisador. No segundo grupo, analisar‐se‐ão os mesmos itens mas dessa vez com a padronização do plano terapêutico, incluindo os itens que não são realizados pelo serviço mas que constam no protocolo e com ciência de todos os envolvidos.

Resultados: Os pacientes eram compostos por maioria do sexo feminino, representando 60% da amostra; a média de idade foi de 60,93 anos e, estes, apresentaram um IMC médio de 26,07Kg/m2. Sessenta e três por cento da amostra era tabagista e 56,7% era etilista. O tempo de internação médio foi de 12,5 dias e 13,3% necessitaram de UTI. Não houve óbito após 30 dias da alta hospitalar.

Após a cirurgia, 13% dos pacientes desse primeiro grupo não receberam a profilaxia TVP/TEP nas primeiras 24 horas, apresentando um risco aumento em 1,73 vezes de ter o evento do que os que tiveram retorno da profilaxia (p<0,005). Além disso, observou‐se que a profilaxia de TVP/TEV no grupo de aplicação do plano terapêutico teve um impacto importante com Odds Ratio 0,47 (p=0,006). Apenas 30% do primeiro grupo realizaram glicemia capilar de horário nas primeiras 24 horas do pós operatório, desses, 20% eram diabéticos e 86,6% possuíam algum risco para hipoglicemia, sendo que o risco de hipoglicemia foi inferior no grupo em que se realizou o controle pormenorizado de glicemia capilar (p=0,041). Pacientes tabagistas tiveram risco aumentado em 1,2 vezes para complicações durante a internação. Pacientes etilistas apresentaram mais complicações durante o período de internação hospitalar (p=0,006).

Conclusão: Observamos a necessidade de se implementar uma dinâmica hospitalar, com base teórico‐cientifica, visando a elaboração de planos e propostas terapêuticas.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools