Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 57 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 57 (October 2018)
P198
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.121
Open Access
ANTIBIÓTICO PROFILAXIA EM CIRURGIA COLORRETAL – ESTUDO PROSPECTIVO DE CASOS EM UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA
Visits
...
Renan Cesar Zanon Teixeira, Karla de Oliveira Araújo, Fang Chia Bin, Thiago Silveira Manzione, Adriana Weinfeld Massaia, Luiza Mello Ayres Morgado
Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Objetivo: Avaliar a eficácia da antibióticoprofilaxia em cirurgias colorretais, classificadas como potencialmente contaminadas, na prevenção de infecções de sítio cirúrgico (ISC) e sua duração, segura e eficaz, no período de 24h vs 05 dias.

Método: Ensaio clínico randomizado, não duplo‐cego, dividido em 02 grupos de estudos prospectivos (24h vs. 5 dias), com duração de 07 meses.

Elaboração de ficha de controle pré/peri‐operatória: relatório cirúrgico; classificação de contaminação cirúrgica – grau I [contaminação leve – abertura de víscera sem extravasamento de conteúdo fecal para cavidade], grau II [contaminação moderada com necessidade de lavagem de cavidade], grau III [contaminação grave e com resquícios após lavagem de cavidade]); controle das complicações cirúrgicas precoces e tardias; fatores de risco; CTI no pós‐operatório; padronização do espectro antimicrobiano (Ceftriaxone e Metronidazol ou Clindamicina); avaliação do grau nutricional do paciente; elaboração de ficha de controle ambulatorial: seguimento ambulatorial padronizado 15 dias pós‐alta hospitalar e 1 mês pós‐operatório (avaliação da ferida operatória e avaliação do paciente). Elaboração de termo de consentimento livre esclarecido (TCLE) com explicação do protocolo de pesquisa, seguimento e suporte ao paciente.

Resultados: A partir da avaliação dos 50 pacientes, 11 foram incluídos nos critérios de exclusão, dos demais 39 restantes, todos apresentaram seguimento ambulatorial no pós‐operatório, durante um período de 01 mês com preenchimento do check‐list de avaliação ISC pelo mesmo profissional responsável pela pesquisa clínica. Do total de 39 pacientes avaliados, 10 casos apresentaram infecção do sítio cirúrgico (25,64%), sendo apenas 1 com presença de infecção de incisão primária profunda acometendo fáscia muscular e 2 houveram necessidade de inclusão de antibiótico terapia. Dos 22 pacientes que foram incluídos no protocolo de antibiótico profilaxia para 24h, 7 apresentaram ISC, possuindo uma taxa de infecção 31,81%. Em contrapartida, dos 17 pacientes restantes submetidos a 5 dias de antibiótico, apenas 3 apresentaram ISC com uma taxa de 17,64%.

Conclusão: O uso prolongado de antibióticoprofilaxia em pacientes submetidos a cirurgia colorretal foi fator protetor na prevenção de ISC, devendo levar em consideração o alto índice de infecção decorrente ao perfil sócio‐econômico da população estudada e eventualmente o perfil hospitalar (SUS).

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools