Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 210 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 210 (November 2019)
457
Open Access
Apendicite aguda: um paralelo entre saúde pública e saúde privada
Visits
...
L.M. da Silva, M.B.S. da Silva, T.Y.F. Koga, W.G.B. Segundo, D.L. Gambaroto, A.G. Robles, L. Robles, I. Neto
Hospital Santa Marcelina, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Infecciosas

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): A apendicite aguda está entre as patologias cirúrgicas mais comuns, sendo considerada a principal causa de abdome agudo cirúrgico no mundo com maior incidência em adolescentes e adultos jovens do sexo masculino. As maiores complicações ocorrem fora dessa faixa etária. Entretanto estudos demonstram diferenças importantes na evolução dos pacientes ao comparar usuários da rede pública e privada, dentre elas a quantidade de atendimentos médicos até a indicação cirúrgica, a maior frequência de realização de ultrassonografia pré‐ operatória no hospital público, maior intervalo de tempo entre início de sintomas e apendicectomia, além de maior tempo de internação hospitalar e maiores taxas de complicações.

Método: Revisão retrospectiva de prontuarios eletronicos de pacientes submetidos a apendicectomia entre os anos de 2015 e 2017 em um hospital da zona leste da cidade de São Paulo/SP. Foram analisados dados dos pacientes do SUS e do convênio. Avaliou‐se a idade, gênero, tempo de evolução, fase da apendicite, intercorrências peri‐operatórias e complicações pós‐operatórias. Critérios de exclusão: Pacientes menores de 14 anos e apendicectomia táticas. Os dados serão organizados e tabulados em um programa estatístico (SPSS®, versão 19.0), de maneira anônima.

Resultados: Foram analisados 553 prontuários, sendo 58,77% (325) por meio do Sistema Único de Saúde – SUS e 41,22% (228) utilizando medicina suplementar. 66,18% dos pacientes eram homens e a média de idade foi de 29,11 anos. Notou‐se discreta diferença entre o sistema público (30,77 anos) e privado (26,75 anos). Em relação ao grau da doença foi observado: 23,69% (131) grau 1; 43,22% (219) grau 2, 16,46% (91) de grau 3 e 16,64% (92) de grau 4. Quando comparado saúde pública e medicina suplementar foi evidenciado diferenças importante nos graus mais avançados, sendo que a maioria dos pacientes com doença avançada eram provenientes do SUS, sendo 68,13% grau 3 (62) e 76,08% grau 4 (70). A maioria dos pacientes não apresentaram complicações após tratamento cirúrgico 86,08% (476). 9,04% (50) com complicações leves e 4,88% (27) com complicações graves. O tempo médio em horas do início dos sintomas até o acesso ao primeiro atendimento médico no sistema público foi de 65,76 horas e no sistema privado 43,01 horas.

Conclusão(ões): Apendicite aguda é uma patologia que necessita de atendimento rápido, profissionais capacitados para reconhecimento dos sintomas e uma rede referenciada eficaz para resolução da doença que, até o momento, é eminentemente cirúrgico. No presente trabalho, verificou‐se diferença no atendimento, diagnóstico, fase e complicações do tratamento cirúrgico entre a saúde pública e suplementar, sendo o setor privado o de melhores resultados.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools