Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 147-148 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 147-148 (October 2018)
TL63
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.315
Open Access
AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DA INCONTINÊNCIA ANAL EM POPULAÇÃO DE AMBULATÓRIO DE ATENÇÃO SECUNDÁRIA
Visits
...
Marleny Novaes Figueiredo de Araújoa,b,c, Guilherme Grabin Graneroa,b,c, Carla Baioni Bonadioa,b,c, João Luiz Brisottia,b,c
a Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata, Barretos, SP, Brasil
b Hospital do Câncer de Barretos, Barretos, SP, Brasil
c Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Barretos, Barretos, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Incontinência anal (IA) é a queixa de perda involuntária de fezes e/ou flatos, com frequência descrita na literatura de 1 a 20%. É um sintoma que afeta a qualidade de vida dos pacientes nas esferas física, psicológica e social. Parece haver pouca indagação de profissionais de saúde a respeito desta queixa, assim como vergonha de os pacientes relatarem esta queixa para seus médicos ou agentes de saúde.

Objetivo: Avaliar a prevalência da incontinência anal, em seus diferentes graus de gravidade, na população de um ambulatório de serviço de atenção secundária.

Metodologia: O estudo é do tipo epidemiológico descritivo e transversal envolvendo pacientes de ambulatório de atenção secundária. Foi aplicado questionário de dados pessoais/médicos e, nos pacientes com queixas de incontinência anal (a sólidos, líquidos ou gases; soiling; perdas insensíveis; urgência evacuatória), também foi aplicada a escala de incontinência de Jorge‐Wexner.

Resultados: Foram aplicados 420 questionários, sendo 262 pacientes do sexo feminino (63,4%) e idade mediana de 56 anos (18 a 97 anos. 80 pacientes (19,1%) apresentavam queixas de incontinência anal. Dentre estes, 48 (60%) apresentavam queixas de soiling, 48 (60%) de incontinência para gases, 46 (57,5%)%) de urgência, 24 (30%) de incontinência para líquidos, 23 (28,8%) de incontinência para sólidos e 23 (28,8%) de perdas insensíveis. Apenas 15 pacientes (18,8%) procuraram atendimento médico devido a esta queixa. Dentre os motivos citados para não procurar atendimento, o principal foi acreditar que o sintoma era normal (12 pacientes ‐ 15%), além de outros como não achar necessário atendimento médico (3,8%) e por vergonha (2,5%). Outros motivos citados foram dificuldade de atendimento médico e acreditar que medicações ou doenças eram a razão da queixa. Dentre os pacientes com IA, 49 (70%) apresentavam IA leve (score Wexner<10) e 21 (30%) apresentavam IA moderada a grave (score Wexner10). Dez pacientes apresentavam apenas sintomas de urgência e/ou soiling, não gerando pontuação para o score de Jorge‐Wexner.

Conclusão: Em nosso estudo a incidência de IA foi semelhante à descrita na literatura, com a maioria das queixas relacionadas a soiling, urgência e IA para gases. O fato de a maioria dos pacientes apresentarem incontinência anal leve e acreditarem ser normal a presença de tal sintoma possivelmente contribui para a falta de busca de atendimento para a queixa.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools