Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 204 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 204 (November 2019)
680
Open Access
Avaliação da qualidade de vida de pacientes com síndrome da ressecção anterior do reto antes e após o uso de irrigação transanal
Visits
...
L.C. Reis, F.P. Rodrigues, L. Rogério, B.De.S. Rodrigues, A.L. Filho, K.C.R. Buzatti, M.M. Pinheiro, R.G. da Silva
Grupo de Coloproctologia, Instituto Alfa de Gastroenterologia, Hospital das Clínicas, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Estudo clínico não randomizado

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): implantar a Irrigação Intestinal Transanal para pacientes classificados como LARS moderado e grave e avaliar os resultados funcionais e seu impacto na qualidade de vida

Método: Pacientes classificados como LARS moderado e grave, após 12meses de tratamento conservador, foram selecionados para a terapia com irrigação intestinal. Foi utilizado kit desenvolvido para irrigação intestinal via estoma. Os pacientes participaram de treinamento por três dias consecutivos sobre a técnica a fim de desenvolver habilidade para realizar em domicilio. Foram aplicados, antes e após o tratamento, questionários que avaliaram a função intestinal dos pacientes (LARS score), a qualidade de vida (questionário SF‐36 de Qualidade de Vida), a gravidade da incontinência anal (Wexner Score) e questionários específicos que mensuraram os impactos da função intestinal na qualidade de vida.

Resultados: Foram estudados 22pacientes, sendo 20 com LARS grave e dois com LARS moderado. 90% dos pacientes relataram perda involuntária de fezes na roupa diariamente, 95% referiram evacuações fragmentadas e sensação de evacuações incompletas e 77,3% queixaram‐se de urgência evacuatória. A adaptação do kit de irrigação via estoma para irrigação intestinal transanal se mostrou eficiente, uma vez que 100% dos pacientes conseguiram manipulá‐lo com facilidade e de forma independente, após o treinamento, não ocorrendo intercorrências durante os 12meses. Após o primeiro mês de irrigação, 86,4% dos pacientes não mais apresentavam perdas involuntárias e evacuações fragmentadas e 81% relataram melhora na urgência evacuatória. O período de maior impacto positivo na classificação de LARS foi o primeiro mês após o início do tratamento quando 86% dos pacientes, inicialmente classificados como LARS grave, passaram a ser classificados como “sem LARS”. A melhora da qualidade de vida após o primeiro mês se deu em 90,9% dos pacientes.

Conclusão(ões): A técnica de irrigação intestinal transanal adaptada foi implantada com sucesso, com boa tolerância e reprodutibilidade pelos pacientes, levando à significativa melhora da função intestinal e da qualidade de vida dos portadores de LARS moderado e grave.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools