Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 202-203 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 202-203 (November 2019)
677
Open Access
Avaliação das lesões esfincterianas em pacientes com história de parto vaginal e sintomas de incontinência: correlação entre os achados ultrassonográficos, clínicos e funcionais
Visits
...
G.O.S. Fernandes, R.G.L. Barreto, M.T.C.C. Oliveira, N.C. Mota, M.T. Pinto, B.B.F. Soares, N.M. Souza, J.B.P. Barreto
Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA), São Luís, MA, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças do assoalho pélvico/Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Avaliar a presença de lesão esfincterina utilizando a ultrassografia endorretal tridimensional em pacientes com história de parto vaginal e correlacionar os achados com os escores de incontinência fecal e os achados manométricos.

Método: Estudo retrospectivo realizado através de uma revisão de prontuários 20pacientes, no período de outubro de 2016 a dezembro de 2018, com queixas de incontinência fecal e com história de parto vaginal, que foram submetidas a ultrassonografia endorretal tridimensional e eletromanometria anorretal. Foi utilizado o escore de incontinência fecal de Wexner para quantificação do grau da incontinência.

Resultados: Foram incluídas no estudo 20mulheres com idade superior a 18anos. Destas, 4foram excluídas por referirem cirurgia anorretal prévia. A média de idade das pacientes foi de 57,43 anos+/‐ 12,55, variando de 38 a 77anos. A mediana de partos foi de 3 (variando 1 a 16 partos) e a mediana de escore de incontinência de Wexner foi de 5 (variando de 2 a 16). Das 16pacientes, 8foram submetidas a episiotomia e 2tiveram auxílio de fórceps no parto. A média das pressões de repouso foi de 39,91mmHg+/‐ 22,16 (variando de 8,9mmHg a 76,4mmHg). A média das pressões voluntárias máximas foi de 87,54mmHg+/‐ 56,54 (variando de 20, 40mmHg a 246,80mmHg). Das 16pacientes avaliadas, 13tiveram lesão de esfíncter anal externo (EAE) e destas, 5apresentaram concomitantemente lesão do esfíncter anal interno (EAI). Todas as lesões encontradas foram na hemicircunferência anterior do canal anal. A média do ângulo de lesão do EAE foi de 124°+/‐ 23,74° (variando de 95° a 179°). Não houve correlação do ângulo de lesão e o escore de incontinência (r=0,1856, p=0,54), assim como não houve correlação entre o escore de incontinência e a pressão de repouso (r=0,3278, p=0,21), pressão de contração (r=0,1261, p=0,64), a idade (r=0,1046, p=0,64) e número de partos (r=‐0,4070; p=0,11). Não houve correlação entre o ângulo de lesão e as pressões de contração (r=0,178; p=0,56).

Conclusão(ões): Em pacientes com parto vaginal e queixas de incontinência é frequente observar lesão esfincteriana na hemicircunferência anterior do canal anal, especialmente do esfíncter anal externo. Além disso, observa‐se ainda redução das pressões anais de repouso e de contração. Porém não foi possível estabelecer correlação entre a severidade da incontinência fecal e os achados manométricos e ultranossonográficos.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools