Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 33 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 33 (November 2019)
573
Open Access
Cirurgia de altemeier em paciente com prolapso retal associado a neoplasia de reto baixo
Visits
...
A.C.R. Vicente, L.M.A.M. da Costa, K.O. Araújo, F.B. Formiga, Td.O. Manzione, F.C. Bin
Irmandade Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área Doenças do assoalho pélvico/Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Categoria Relatos de caso

Forma de Apresentação Pôster

Objetivo(s) Relatar caso de paciente com prolapso retal associado a adenocarcinoma de reto baixo e discutir a melhor técnica cirúrgica para tal.

Descrição do caso Mulher, 86 anos, 2G2Pc, com hematoquezia há seis meses antes da avaliação inicial. Exame físico revelava lesão a 5cm da borda anal. Biópsia por colonoscopia diagnosticou adenoma túbulo‐viloso com displasia de baixo grau. No entanto, a ressonância magnética de pelve revelou lesão T2N3a. Paciente perdeu acompanhamento e evoluiu com quadro demencial (Karnofsky 40%) e desnutrição (13,3kg/m2). Retornou dois anos depois com progressão do quadro para prolapso retal com exteriorização de lesão elevada, com ulceração central. Optou‐se por retossigmoidectomia perineal devido às condições clínicas e ao exame clínico não sugerir lesão estádio III como evidenciado previamente. Procedimento realizado sem intercorrências com alta hospitalar no 5° dia pós‐operatório. O estudo histológico mostrou se tratar de adenocarcinoma focal bem diferenciado (invadia lâmina própria) em adenoma túbulo‐viloso com displasia de alto grau.

Discussão O prolapso retal é uma afecção benigna com duas teorias etiopatogênicas mais aceitas: hérnia por deslizamento e invaginação retal. Os processos são os mesmos com diferentes aspectos anatômicos e funcionais do assoalho pélvico: perda da fixação retal, menor curvatura sacral, deteriorização da musculatura esfincteriana, associado a constipação crônica, doença neurológica incluindo anomalia congênita, lesão da cauda equina, lesão de medula espinhal e senilidade. Pólipos ou tumores retais podem se comportar como cabeça de invaginação e também aumentam a pressão intra‐retal, levando ao prolapso retal, principalmente em assoalhos pélvicos já doentes. A paciente descrita tinha desnutrição grave, senilidade, quadro demencial e tumor retal que favoreceram o aparecimento do prolapso. Provavelmente ele gerava uma intussuscepção intra‐retal no início, provocando espessamento da muscular própria e linfonodomegalia inflamatória o que pode ter superestimado o estadiamento local. Daí a importância do exame clínico, do entendimento da carcinogênese adenoma‐carcinoma e na definição de técnica ressectiva perineal para resolver a afecção benigna (prolapso retal) associado a afecção potencialmente maligna (tumor), sem agregar morbi‐mortalidade à paciente de baixo “status performance”. Ambas as doenças são comuns em faixa etária mais avançada, além do tumor colorretal ser neoplasia prevalente na população brasileira. A técnica de Altemeier foi a melhor escolha neste caso.

Conclusões: O prolapso retal pode ser sintoma de paciente com tumor retal, portanto, avaliação clínica e endoscópica se faz necessária. Além disso, a cirurgia de Altemeier vai ao encontro dos melhores resultados quando se quer reduzir morbidade cirúrgica com necessidade de cirurgia ressectiva em paciente grave.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools