Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 131-132 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 131-132 (October 2017)
P‐136
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.137
Open Access
CISTO PILONIDAL RECIDIVADO TRATADO COM RETALHO CUTÂNEO DE LIMBERG
Visits
...
Eron Fabio Miranda, Ramir Luan Perin, Diogo Araujo Ribeiro, Patricia Zacharias, Ivan Folchini de Barcelos, Renato Vismara Ropelato, Paulo Gustavo Kotze
Hospital Universitário Cajuru, Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A doença pilonidal é uma condição potencialmente debilitante. Embora comumente encontrada na prática clínica, a causa e o tratamento ideal dessa doença permanecem controversos. O tratamento cirúrgico continua a ser a única forma efetiva de resolução, existe controvérsia quanto à melhor técnica a ser usada.

Relato do caso: Paciente masculino, 18 anos, submetido a exérese de cisto pilonidal havia dois anos, apresentou‐se, ainda, com ferida operatória aberta. Foi encaminhado a tratamento com câmara hiperbárica para tentativa de cicatrização, sem sucesso. Optou‐se por indicação de novo procedimento cirúrgico com uso de flap romboide de Limberg para tratamento do cisto sacrococcígeo recidivado. A partir do defeito resultante da ressecção prévia, desenhou‐se um losango idealizado com dois triângulos equiláteros, com a tentativa de que todos os lados do defeito apresentassem o mesmo comprimento. Foi feito descolamento de todas as bordas da ferida operatória, seguiram‐se as margens do retalho, com excisão até a fáscia pré‐sacral. Após, fechamento primário com o retalho fasciocutâneo previamente planejado. Paciente apresentou boa evolução, recebeu alta hospitalar no segundo dia. Desde então, acompanhamento ambulatorial com retirada de todos os pontos em 30 dias e sem evidência de recivida.

Discussão: Há relativa escassez de evidência para definição da melhor estratégia cirúrgica para o cisto pilonidal recidivado. Avanços cutâneos podem ser feitos especialmente no contexto de doença pilonidal crônica complexa e recorrente, quando outras técnicas falharem. Estudos indicam significativamente menor índice de recorrência com o retalho de Limberg comparado com o avanço V‐Y, apesar de não haver diferenças nas complicações da ferida ou de duração da internação.

Conclusão: Não há protocolos de tratamento que guiem para técnica cirúrgica mais adequada para resolução do cisto pilonidal recidivado. A literatura aponta como linha de tratamento mais eficiente a confecção de retalhos. Há ligeira preferência e vantagens com o uso do retalho de Limberg.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools