Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 21 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 21 (November 2019)
804
Open Access
Colectomia direita por obstrução intestinal na doença de crohn
Visits
...
J.R.L. Ulliano, L.D.A. Horcel, F.B. Beraldo, P.S. Rahe, I.R.M.A. de Lima
Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (IAMSPE), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Inflamatórias Intestinais

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar uma complicação temida da doença de Crohn com necessidade de manejo cirúrgico por obstrução secundária a estenose ileal.

Descrição do caso:C.T.S., 39 anos, sexo feminino em acompanhamento ambulatorial devido à doença de Crohn forma estenosante em íleo terminal diagnosticada há 13 anos. Paciente com perda de seguimento retorna após 1 ano com perda ponderal de 10kg, dor abdominal, artralgia, redução do número de evacuações e queda do estado geral há 5 meses. Em uso de mesalazina 800mg 8/8h, prednisona 20mg e adalimubab de 15/15 dias de forma irregular nos últimos 4 meses. Devido ao quadro clínico atual optado por internação hospitalar. Iniciado antibioticoterapia com ceftriaxona e metronidazol e exames de imagem para nova avaliação da doença. Realizou enterotografia que evidenciou “espessamento e realce parietal concêntrico do íleo terminal e válvula íleocecal com sinais de afilamento intraluminal podendo corresponder a estenose local, promovendo distensão de alças entéricas à montante” e colonoscopia “íleo terminal apresenta‐se com úlceras por fibrina e subestenose intransponível ao aparelho. Mucosa normal em ceco, cólon ascendente ângulo hepático, cólon transverso, ângulo esplênico, cólon descendente, sigmoide e transição retossigmoide” procedimento no qual foram realizadas biópsias (íleo terminal ‐ ileíte crônica com extensas áreas erodidas; reto ‐ mucosa com focos de hemorragia recente, ausência de granulomas e microabscessos de criptas; cólon ‐ mucosa edemaciada) Devido a má evolução clínica e achados da colonoscopia for optado pela realização de colectomia direita com anastomose latero‐lateral grampeada isoperistáltica. Paciente com boa evolução pós‐operatório com alta hospitalar após nove dias da cirurgia e dezessete dias de internação hospitalar.

Discussão e Conclusão(ões): A estenose é uma das complicações mais temidas e frequentes da doença de Crohn mal controlada. Aproximadamente 30% dos doentes evoluem com graus de estenose que podem levar a obstrução intestinal com necessidade de ressecção. Como a formação de novas estenoses é comum, muitos pacientes podem apresentar múltiplas ressecções e com isso evoluir com intestino curto; por isso atualmente em paciente com múltiplas estenoses tem se optado pela esfincteroplastia e deixado a enterectomia para situações de obstrução intestinal como no caso em questão.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools