Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 149 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 149 (October 2018)
TL66
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.318
Open Access
CORRELAÇÃO ENTRE O QUADRO CLÍNICO, MANOMETRIA ANORRETAL COMPUTADORIZADA E ULTRASSONOGRAFIA ENDOANAL 360 GRAUS NOS PACIENTES COM INCONTINÊNCIA ANAL
Visits
...
José Bahia Filho, Renata Bahia Sapucaia, Lucca Bahia Sapucaia
Clínica Dr. José Bahia Sapucaia, Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A incontinência anal se caracteriza pela incapacidade de controlar gases e/ou fezes, envolvendo mecanismos complexos e geralmente multifatoriais. Esse distúrbio compromete a qualidade de vida, se manifestando mais no sexo feminino que no masculino.

Objetivo: Objetivamos correlacionar o quadro clínico, com os achados Manometricos e ultrassonográficos nos pacientes estudados no Serviço de fisiologia Anorretal.

Método: Foram avaliados 60 pacientes, sendo 52 do sexo feminino e 08 do sexo masculino, com idade variando de 25 a 82 anos de idade, submetidos ao Score da Cliviland Clininic Incontinence, à avaliação Manométrica Anorretal, com aparelho de 08 canais e a Ultrassonografia Endoanal 360 graus.

Discussão: Todos os pacientes com diagnóstico clínico de incontinência anal, tiveram alguma alteração manometrica, seja no tônus ou contração voluntária, ou nos dois parâmetros, independente do sexo ou idade, ou comorbidade associada, bem como alguma alteração nos achados ultrassonográficos, refererentes a afilamento dos musculos esfíncter interno e externo, bem como descontinuidade dos mesmos, seja isoladamente ou associada, sendo que no Csexo feminino, a comorbidade mais fequente foi o parto natural com episiotomia.

Conclusão: Desta forma, concluimos que existe uma correlação entre o quadro clínico e os achados Manométricos e ultrassonográficos nos pacientes portadores de incontinência anal e que dentre as variáveis no sexo feminino, o parto natural, vem assumindo um papel preponderante e no sexo masculino, as lesões pós‐cirúrgicas são os fatores mais responsáveis pela incontinência.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools