Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 63-64 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 63-64 (November 2019)
618
Open Access
Diagnóstico diferencial de tumor de canal anal: relato de caso
Visits
...
L. Boturaa, J.A.B. Horab, A.C.M.d. Paivaa, F.A. Fernandesa, S.C. Nahasa, I. Cecconellob
a Hospital das Clínicas (HC)‘. Faculdade de Medicina (FM), Universidade de São Paulo (USP). São Paulo. SP, Brasil
b Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): O câncer do ânus representa menos de 4% das neoplasias colorretais. Infecção pelo vírus do papiloma humano (HPV), imunossupressão, história de relação sexual com intercurso anal receptivo, história de câncer cervical, vulvar ou vaginal, ou infecção pelo HIV e tabagismo são fatores de risco associados ao desenvolvimento do câncer anal. No entanto o HPV não é o único vírus conhecido por causar afecções perianais. O Herpes simplex (HSV) é um DNA vírus que provoca afecções perianais, sendo considerada a causa mais comum das úlceras na região, mas que também pode causar outros tipos de lesões. O objetivo deste trabalho é apresentar caso como diagnóstico diferencial de tumor de canal anal.

Descrição do caso: Paciente J.M.S. feminino, sessenta anos, com quadro de lesão elevada, endurecida, de aspecto nacarado, indolor a palpação, às sete horas na borda anal. Paciente refere diagnóstico da lesão após achado de exame proctológico durante consulta ambulatorial. Paciente com quadro constipação crônica, com uso de laxativos para evacua. Negava presença de sangue ou pus nas fezes. Negava perda de peso e outras queixas. Antecedente de cirurgia de hemorroidectomia em 2015.

Discussão: O presente caso tem como intuito apresentar um quadro com lesão sugestiva de carcinoma espinocelular de canal anal, porém que, após biópsia excisional revelou mucosa anal com hiperplasia epitelial, ortoqueratose e exocitose de linfócitos, sendo ausente sinais de malignidade na peça. O Herpes simplex provoca afecções perianais, sendo considerada a causa mais comum das úlceras na região. É um Herpesvírus com dois genótipos conhecidos, o tipo 1 (HSV‐1) mais associado ao herpes labial e o tipo 2 (HSV‐2) que determina lesões anogenitais. Apesar da forma ulcerativa ser a mais conhecida, a literatura relata o aparecimento de lesões tumorais, nodulares ou hipertróficas relacionadas ao vírus. Macroscopicamente, trata‐se de tumores dolorosos, achatados, com superfície recoberta por ulceração rasa e com bordas bem delimitadas, elevadas e lobuladas, localizados na margem anal e/ou no sulco interglúteo, algumas vezes imitando condilomas virais ou carcinoma. O diagnóstico diferencial com carcinoma impõe a realização de biópsia para confirmação histológica. Esse exame revelava hiperplasia epitelial moderada e denso processo inflamatório.

Conclusão: O HPV não é o único agente que causa infecções perianais. Em alguns casos, como o demonstrado, o HSV pode causar lesões de aspecto neoplásico, sendo necessária a análise anatomopatológica para o diagnóstico, com anamnese e exame proctológico bem detalhados, procurando fatores de risco.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools