Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 153 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 153 (October 2018)
TL75
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.327
Open Access
DISTÚRBIOS EVACUATÓRIOS EM IDOSOS ATENDIDOS NO AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES EM GERIATRIA DE HOSPITAL DE ENSINO
Visits
...
Isaac J.F. Correa Neto, Mariana Campello de Oliveira, Jessica Mocerino, Henrique Carvalho e Silva Figueiredo, Vanessa Santos Lanfranchi, Thales Ranieri Pedroso, Laercio Robles
Hospital Santa Marcelina, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Os distúrbios da evacuação, seja a incontinência anal ou a constipação intestinal, representam alterações do assoalho pélvico bastante frequente na população em geral e mais comumente naqueles com fatores de risco, ou seja, em idosos, mulheres com passado obstétrico, comorbidades, antecedente de radioterapia pélvica, diabéticos, acamados, história de cirurgias orificias, dentre outros.

Objetivo: Analisar a incidência de distúrbios do assoalho pélvico em pacientes geriátricos atendidos no Ambulatório de Especialidades Médicas (AME) do Hospital Santa Marcelina e correlacionar as afecções do assoalho pélvico com sintomas de depressão nessa faixa etária.

Metodologia: Estudo prospectivo com entrevista do mesmo paciente em dois momentos, ou seja, em um primeiro tempo obteve‐se a anamnese subjetiva e em uma segunda análise, realizada logo após a primeira, realizou‐se um questionário direcionado abordando de forma objetiva e direta se o paciente referia sintomas de incontinência anal e/ou constipação intestinal.

Resultados: Foram analisados de forma aleatória e prospectiva 149 pacientes idosos sendo 114 (76,5%) do gênero feminino e média de idade de 77,49 anos nas mulheres (60‐103 anos) e 78,31 anos no sexo masculino (60‐94 anos).

A incidência de global de incontinência anal foi de 30,87% e de constipação intestinal de 20,8%, entretanto, apenas 36,95% dos pacientes com o primeiro sintoma referiram a queixa espontaneamente enquanto no segundo grupo foi de 87,09%.

Verificou‐se que 42 pacientes referiram algum grau de depressão (28,18%) com incidência de 17,14% nos homens e de 31,57% nas mulheres. Desses, 40,47% apresentavam sintomas de incontinência anal e 9 (21,42%) de constipação intestinal através de critérios objetivos de ROMA III. Ao se estratificar o sintoma referido de depressão ao sexo, 44,44% das mulheres com depressão têm incontinência anal e 16,67% apresentam constipação intestinal. Por outro lado, os sintomas são presentes em pacientes do sexo masculino em 16,67% e 33,33%, respectivamente.

Conclusão: Verifica‐se que a incidência de distúrbios do assoalho pélvico na população geriátrica é elevada, sobretudo a incontinência anal que, além disso, não é uma condição relatada pelo paciente de forma natural ao seu médico, tornando imperiosa a necessidade de saber dos fatores de risco envolvidos com esses distúrbios a fim de se propiciar uma melhor assistência à esses pacientes.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.