Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 110 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 110 (November 2019)
713
Open Access
Diverticulite de cólon direito: Um diagnóstico negligenciado?
Visits
...
J.L. Amuratti, C.W. Sobrado, E.F. Aurélio, L.F. Sobrado, L.J. Bustamante, C.B.G. Facanali, S.C. Nahas, I. Cecconello
Hospital das Clínicas (HC), Faculdade de Medicina (FM), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Intestinais funcionais e Doença Diverticular dos cólons

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Propor algorítimo para o manejo e diagnóstico da diverticulite de colón direito (DCD) com e sem complicações, através da discussão de aspetos relacionados a etiopatogenia, métodos diagnósticos e estratégias terapêuticas.

Descrição do caso: Este é um estudo observacional transversal de 11pacientes em acompanhamento num centro de referência terciário que apresentaram DCD. Uma breve revisão de literatura foi realizada com ênfase no manejo terapêutico pós diagnóstico de diverticulite aguda com e sem complicações.

Discussão e Conclusão(ões): A moléstia diverticular de cólon direito (DDCD) é apresentação rara nos países ocidentais, sendo mais frequente na região de ceco, associada a jovens do sexo masculino, e asiáticos. Sua patogenia ainda não é completamente explicada, porém acredita‐se que há uma somatória de fatores determinantes, tais como genética, fatores dietéticos e microbiota gastrointestinal. Giovanni Barbara e cols realizaram um estudo da microbiota fecal e da mucosa intestinal com a utilização de plataforma filogenética ‐ microarray, que demonstrou naqueles com DDCD uma depleção de Clostridium cluster IV, Fusobacterium e lactobacillus, comparando pacientes sintomáticos e não sintomáticos, além de uma relação negativa em comparação com a Akkermansia. O quadro de DCD é composto por sintomas similares a apendicite aguda (AA) e ileíte aguda complicada em portadores de doença de Crohn, tornando seu diagnóstico clínico pré‐operatório um desafio. Recentemente, com a utilização da tomografia computadorizada nos casos de abdome agudo inflamatório, têm ocorrido um aumento no diagnóstico pré‐operatório. Sendo assim, para pacientes mesmo com score de Alvarado alto, acima de 40 anos a tomografia ou ultrassonografia por radiologista experiente é recomendada pelos autores, podendo contribuir para redução de intervenções cirúrgicas. Em algumas situações de diverticulite aguda complicada, entretanto, a presença de processo inflamatório envolvendo o íleo, ceco, cólon ascendente e apêndice, o achado tomográfico é pouco elucidativo, sendo o diagnóstico confirmado apenas no intraoperatório ou na anatomia patológica. O algoritmo de tratamento para DCD não possui evidências robustas e, portanto, não é padronizado, especialmente nos casos sintomáticos não complicados, cujo tratamento é conservador com o uso de dieta rica em fibras, antibióticos, probióticos, uso de derivados salicílicos, e rifaximina, com base na experiência adquirida no tratamento da diverticulite de cólon esquerdo, sendo a cirurgia indicada nas complicações. A possibilidade de um diagnóstico diferencial à AA naqueles pacientes mais jovens, com história de divertículos prévios visualizados por colonoscopia e/ou dor abdominal recorrente de curta duração deve ser aventada. Conclusão: Deve se ter em mente a DCD como hipótese diagnostica àqueles com dor em quadrante inferior do abdomem. O uso de algorítimo para o manejo e diagnóstico da diverticulite pode auxiliar médicos cirurgiões que trabalham em emergência.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools