Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 1-2 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 1-2 (October 2018)
P02
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.005
Open Access
DIVERTÍCULO RETAL ‐ RELATO DE CASO
Visits
...
Luciana Martins Krohling, Fernando Henrique Rabelo Abreu dos Santos, Thays Bisi Timoteo, Mitre Kalil
Hospital Santa Casa de Misericórdia de Vitória, Vitória, ES, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A doença diverticular dos cólons é encontrada habitualmente nos países com melhor desenvolvimento econômico e está associada a uma dieta pobre em fibras. Esta condição ocorre em indivíduos a partir da quarta década de vida, sendo o cólon sigmoide o segmento predominantemente acometido e raramente é identificada no reto. Os pacientes, em sua maioria, são assintomáticos e a descoberta da doença é incidental.

Descrição: Paciente masculino, 71 anos, assintomático, com indicação de colonoscopia para rastreio de neoplasia colorretal. Foi evidenciada doença diverticular pan‐colônica não complicada e duas formações diverticulares regulares em reto, com amplos orifícios.

Discussão: A diverticulose colônica é uma das doenças gastrointestinais mais comuns e sua prevalência aumenta com a idade. Aos 60 anos, metade da população poderá ser acometida. Sabe‐se que a baixa ingestão de fibras, o aumento do tempo de trânsito colônico e da pressão intraluminal estão associados ao desenvolvimento dos divertículos. Já a ocorrência no reto é incomum devido à disposição anatômica das camadas musculares que promovem maior resistência às variações de pressão intraluminal. Foi observado, porém, que a ocorrência de divertículos retais está associada à fraqueza da parede retal, podendo estar relacionada à constipação, obesidade e impactação fecal recorrente. Também foram observados como fatores de risco para o acometimento retal da diverticulose a doença hemorroidária, atrofia muscular ou degenerativa, anomalias genéticas, trauma, infecção retal e a ausência de estruturas de suporte como o cóccix. A maior parte dos pacientes é diagnosticada por exames tais como o clister opaco e a colonoscopia. Usualmente são encontrados de um a três divertículos, com óstios de 2cm de diâmetro ou maiores. Ocasionalmente, podem ocorrer complicações como perfuração, formação de abscesso, fístulas, prolapso retal, estenose, ulcerações e sangramentos. Em alguns casos há necessidade de abordagem cirúrgica tais como drenagem, derivação de trânsito intestinal, ressecção do divertículo e ressecção abdominoperineal do reto. A monitorização dos pacientes é recomendada devido à possibilidade de metaplasia e malignização da mucosa. No caso em questão, o paciente foi orientado a permanecer em acompanhamento ambulatorial.

Conclusão: Os divertículos retais são raros, habitualmente assintomáticos, mas devem ser acompanhados já que podem levar a complicações que necessitem de intervenção cirúrgica.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools