Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 14 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 14 (November 2019)
537
DOI: 10.1016/j.jcol.2019.11.025
Open Access
Divertículo de reto sintomático
Visits
...
G.F. Furlan, M.V. Furlanetto, R.B. Sampietro, E. Endo, A.H.B.G. Vieira, H.L. Invitti, R. Valarini, A.S. Brenner
Hospital Universitário Evangélico Mackenzie, Curitiba, PR, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Intestinais funcionais e Doença Diverticular dos cólons

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Neste trabalho relatamos o caso de um paciente com divertículo de reto associado a constipação e tenesmo.

Descrição do caso: Paciente do sexo masculino, 75 anos, foi atendido no ambulatório de Coloproctologia de um hospital terciário em Curitiba, com queixa de constipação associada a tenesmo e episódios de distensão abdominal há 6 meses. Apresentou melhora parcial dos sintomas com uso de laxativos e mudança de hábitos alimentares. Negava demais comorbidades, assim como realização de colonoscopia prévia. Ao exame físico apresentava‐se com abdome plano, flácido, indolor a palpação, sem massas palpáveis, com toque retal sem alterações. Foi optado por solicitar colonoscopia, que evidenciou 2 orifícios diverticulares de óstio largo a 10 centímetros da margem anal, sem alterações do padrão da mucosa.

Discussão: A doença diverticular dos cólons é uma condição comum na população, podendo estar presente em mais de 50% das pessoas, com acometimento principalmente do colón sigmoide. Diferente dos divertículos dos cólons, os divertículos retais são considerados uma condição rara, com prevalência de 0,08% na população geral. Acomete mais pacientes do sexo masculino (3:1), entre 55 e 85 anos de idade. Estes divertículos são divertículos verdadeiros, ou seja, englobam todas as camadas da parede retal, possuem óstio grande e geralmente se manifestam nas paredes laterais do reto, devido a menor resistência das camadas musculares. Geralmente são únicos, e podem se associar a constipação, obesidade e impactação fecal, podendo se manifestar com diverticulite, infecção, ulceração, perfuração, fístula e prolapso anal. Porém, na maioria das vezes os divertículos de reto são assintomáticos, não necessitando de intervenção cirúrgica, esta ficando reservada para casos com sintomas importantes ou complicações.

Conclusão: Os divertículos retais são raros e geralmente assintomáticos, no entanto devemos ter conhecimento dessa condição assim como de seus sintomas e possíveis complicações. Ainda deve‐se considerar como diagnóstico diferencial constipação intestinal.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools