Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 113 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 113 (October 2018)
P99
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.242
Open Access
DOENÇA DE PAGET PERIANAL: RELATO DE CASO
Visits
...
Carlos Roberto Carvalho Leitea,b, Jessica Montenegro Pontesa,b, Alisson Cordeiro Moreiraa,b, Ernesto de Souza Diniz Netoa,b, Martina Bragante Fernandes Pimentaa,b, Francisco Junior Pereira Leitea,b, Leticia Aires Benjamina,b
a Hospital Napoleão Laureano, João Pessoa, PB, Brasil
b Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), João Pessoa, PB, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: As neoplasias cutâneas perianais são entidades raras, dentre elas identifica‐se a Doença de Paget, que consiste em uma neoplasia inicialmente benigna, que pode ter comportamento maligno em cerca de 33% a 88%. A doença de Paget é classificada em mamária e extramamária, sendo a extramamária mais rara e mais comumente localizada na vulva, acometendo a região perianal em 20% dos casos. A finalidade deste trabalho é relatar um caso de Doença de Paget extramamária perianal, observado e tratado no Hospital de Câncer Napoleão Laureano, em João Pessoa ‐ PB.

Relato de caso: I.L.L., 88 anos, feminino, com quadro de desconforto associado a prurido e tumoração em região perianal, tratada com medicações tópicas há 1 ano, sem resultados. Foi submetida a biópsia incisional, que evidenciou hiperplasia pseuepiteliomatosa com foco de paraceratose, infiltrando a epiderme, por células epitelioides atípicas que se permeiam entre os ceratócitos, com núcleos aumentados de volume, compatível com Doença de Paget. Foi submetida a ressecção alargada da lesão perianal, com preservação dos músculos esfíncteres anais e fechamento da ferida operatória por segunda intenção. Anatomopatológico revelou adenocarcinoma originando‐se em Doença de Paget perianal, mucinoso, moderadamente diferenciado.

Conclusão: A Doença de Paget perianal é uma doença rara e por vezes tardiamente diagnosticada, devido à inespecificidade dos seus sintomas. O pouco conhecimento e a insistência em tratamento clínico para esta paciente levaram a malignização da doença e ao maior porte do procedimento, reforçando a importância da biópsia incisional em lesões macroscópicas sem etiologia clara. É fundamental determinar a presença de outras neoplasias concomitantes, para se proceder ao tratamento mais adequado, o que se traduz num melhor prognóstico.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools