Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 157 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 157 (October 2018)
TL83
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.335
Open Access
EPIDEMIOLOGIA DOS PACIENTES PORTADORES DE DOENÇAS RETAIS OPERADOS EM HOSPITAL PÚBLICO EM SALVADOR EM 01 ANO DE RESIDÊNCIA
Visits
...
Jamille Eller Andrade Batista, André Luiz Santos, Henrique Moura Parreira, Tássia Mendes Franco, Carlos Ramon Silveira Mendes
Hospital Geral Roberto Santos (HGRS), Salvador, BA, Brasil
Article information
Full Text

As cirurgias orificiais correspondem a cerca de 80% do total do movimento cirúrgico na especialidade de coloproctologia. Assim sendo um serviço de qualidade tem que estabelecer o diagnóstico da afecção apresentada pelo paciente, tratá‐la e promover o seguimento necessário. O trabalho em questão pretende demonstrar o perfil das cirurgias proctológicas realizadas na instituição no período de março de 2017 a março de 2018. Analisando os gêneros, as idades, o regime de internação, técnicas cirúrgicas mais aplicadas, as comorbidades e complicações pós‐operatórias. Foram realizados no período 161 cirurgias orificiais. Dessas foram 10,56% foram eletivas e 1,3% urgência. 88,20% foram day‐hospital. Tivemos a predominância de 67,08% do sexo masculino e 32,92% do sexo feminino. Com idade média de 41,2 anos. Desses o diagnóstico mais prevalente foi a fístula anorretal com 40,99%, hemorróidas com 38,51%, Cisto pilonidal com 4,35%, Fissura anal com 4,35% e fístula retovaginal com 2,48%. O tempo cirúrgico médio foi de 30 a 60 minutos em 60,25% da amostra. A hemorroidectomia correspondeu 37,2% dos procedimentos, Fistulectomias a 32,92%, Fistulotomia a 4,97%, correção de fístulas retais a 1,24% e excisão de cisto pilonidal a 4,35%. Em torno de 91% dos pacientes não utilizaram nenhum tipo de antibioticoprofilaxia. As comorbidades mais presentes foram a Hipertensão arterial sistêmica em 8,07%, diabetes mellitus em 2%, dislipidemia em 2% e fibrilação atrial em 1,24% dos pacientes que realizaram o procedimento com reserva de vaga de vaga em UTI. Nenhum paciente da amostra necessitou de transfusão sanguínea durante o ato operatório. A principal complicação pós operatória foi dor em 48% dos pacientes, sangramento em 1,84% e infecção do leito cirúrgico em 1,2%. Esse estudo focalizou nas cirurgias orificiais por sua representatividade no universo cirúrgico da Coloproctologia. Numa retrospectiva de 1 ano (2017‐2018), onde foram coletados e estudados 161 casos em um serviço de residência de coloproctologia credenciado pela sociedade demonstrando a necessidade de conhecimento de seu público assistente para determinar metas em virtude do aprendizado do residente.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.