Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 177-178 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 177-178 (November 2019)
795
Open Access
Estudo comparativo da apresentação clínica, do estadiamento anatomopatológico e do tempo de diagnóstico de pacientes com câncer colorretal por polipose adenomatosa familial e de pacientes com câncer colorretal esporadico
Visits
...
A.M. Parente, Y.V.M. Salles, H.P. Castro, S.D.d. Morais Junior, P.H.A.d. Morais, J.B.d. Sousa, R.M.d. Almeida, A.C.N.d. Santos
Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): 20% dos cânceres colorretais (CCR) são de origem familiar, sendo as duas mais frequentes a Síndrome de Lynch e a Polipose Adenomatosa Familiar (PAF). O objetivo desse estudo é comparar a apresentação clínica, o estadiamento patológico e os resultados oncológicos de pacientes com CCR por PAF e de pacientes com CCR esporádico.

Método: Estudo do tipo caso controle em que pacientes com câncer colorretal e polipose adenomatosa familial foram pareados com pacientes com câncer colorretal esporádico. Foram incluídos pacientes maiores de 18 anos com polipose adenomatosa familial diagnosticados com câncer colorretal e foram comparados com pacientes com câncer colorretal esporádico. Foram coletados dados referentes ao sexo, idade na época do diagnóstico, tipo de operação realizada, histórico de polipose familiar, sintomas iniciais (sangramento intestinal, alteração de hábitos intestinais, dor abdominal e perda de peso), intervalo de tempo entre o início de sintoma e o diagnóstico e estadiamento patológico. Os pacientes com polipose adenomatosa familiar foram, cada um, segundo o sexo e idade – com margem de diferença de idade de cinco anos para mais ou para menos, com exceção de uma paciente que desenvolveu câncer muito cedo e, portanto não havia sujeitos controles com câncer esporádico que pudessem ser pareados com essa – com três indivíduos com câncer colorretal esporádico.

Resultados: Foram incluídos 48 indivíduos, sendo 12 no grupo F e 36 no grupo controle. A idade no grupo PAF variou de 21 a 69 com mediana de 43,5 anos e no grupo controle variou de 20 a 72 (mediana 44 anos). Foram seis mulheres e seis homens no grupo PAF. Com relação ao estadiamento patológico um paciente estava no estádio I, 04 no II, 04 no III e três no IV. Em relação aos sintomas estudados não houve diferença entre os dois grupos. Entretanto, dois pacientes no grupo com polipose eram assintomáticos. O intervalo de tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico foi de 4,58 meses no grupo com polipose, já no grupo com câncer esporádico foi de 9,3 meses. Não houve diferença de sobrevida entre os dois grupos. A sobrevida global média nos pacientes do grupo PAF foi de 70,2 meses. Três pacientes com doença metastática sobreviveram menos de 12 meses. Quando se considera a sobrevida livre de doença em cinco anos, apenas cinco pacientes do grupo polipose permaneceram vivos. A presença de sangramento nas fezes, perda ponderal, alteração do hábito intestinal (diarreia e/ou constipação), dor abdominal foram os sintomas mais prevalentes, sendo os dois últimos os mais comuns no grupo com PAF e o primeiro o mais comum no grupo de câncer esporádico.

Conclusão(ões): A sintomatologia nos pacientes PAF foi similar à dos com CCR esporádico, o intervalo de tempo entre o início dos sintomas e o diagnóstico do câncer colorretal foi menor no grupo PAF e os resultados oncológicos foram semelhantes e relacionados ao estadiamento patológico.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools