Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 191 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 191 (November 2019)
581
Open Access
ESTUDO RETROSPECTIVO DE 20 ANOS EM PACIENTES SUBMETIDOS A ESFINCTEROPLASTIA: PROGNÓSTICO E QUALIDADE DE VIDA
Visits
...
Prudencio Ll, Pinto Ra, Moraes PADd, Neto Ijfc, Nahas Sc, Cecconello I
Hospital das Clínicas (HC). Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças do assoalho pélvico/Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Categoria: Estudo clínico não randomizado

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): O estudo procura mapear os resultados da esfincteroplastia anal através da análise dos sintomas de incontinência anal e da qualidade de vida dos pacientes antes e após o procedimento, no seguimento de longo prazo.

Método: Os dados foram armazenados em Excel e analisados com ferramentas disponíveis em R Commander, SPSS e GraphPad Prism. Os dados categóricos foram expressos em porcentagem e as variáveis contínuas em média±desvio padrão. Os dados de escores e notas foram expressos em mediana e quartis. Para a interpretação inicial dos dados, verificou‐se o tipo de distribuição pelo teste de Shapiro‐Wilk. O escore total do índice de incontinência anal foi descrito e comparado com uso do Teste Wilcoxon pareado. Os escores aplicados e desenvolvidos foi utilizado o coeficiente de Cronbach. A correlação com os parâmetros laboratoriais foi realizada pelo coeficiente de correlação de Spearman. A hipótese de igualdade foi rejeitada para p ≤ 0,05.

Resultados: Foram estudadas 26 pacientes do sexo feminino submetidas a esfincteroplastia, sendo a idade média das pacientes de 49,15 anos. 17 delas apresentaram causa obstétrica para a lesão esfincteriana, cuja média de partos normais foi de 5,52. 76% das pacientes mantém seguimento em nosso serviço em uma média de seguimento de 80,26 meses. No acompanhamento do escore de Cleveland Clinic Florida (CCF), o total pré‐operatório apresentou mediana de 15 (variou entre 8 e 20); já o escore total pós‐operatório obteve mediana de 12 (variando entre 0 e 20); a maioria das pacientes manteve melhora do escore em seguimento de 12 a 170 meses; a piora do escore corresponde a 19% das pacientes em menor tempo de seguimento (32 a 86 meses). No período pós‐operatório, a incidência de deiscência de ferida foi de 69,23% para todas as pacientes entrevistadas, sendo que todas elas receberam tratamento clínico com antibioticoterapia e limpeza local. A maioria das pacientes considerou ter boa qualidade de vida. Os dados objetivos da manometria anorretal obtidos também foram estudados, destacando‐se a pressão de repouso (PR), a pressão de contração do esfíncter externo (PCE) e a pressão de contração total (PCT). A PR em pré‐operatório apresentou média de 20,82 e PR em pós‐operatório apresentou média de 30,59, p=0,03 (entre pré e pós‐operatório). A PCE em pré‐operatório apresentou média de 32,17 e PCE em pós‐operatório apresentou média de 41,21, p=0,05 (entre pré e pós‐operatório). A PCT em pré‐operatório apresentou média de 55,93 e PCT em pós‐operatório apresentou média de 71,36, p=0,03 (entre pré e pós‐operatório). O comprimento de ânus funcional e reflexo inibitório reto‐anal não apresentaram comparação significativa (p>0,05).

Conclusão(ões): A esfincteroplastia anal mostrou‐se um método que promove melhora significativa na qualidade de vida em mulheres com incontinência fecal, bem como a maioria apresenta melhora do desempenho esfincteriano em longo prazo. Em caso de piora da função, as queixas ocorrem a curto prazo.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools