Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 132 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 132 (October 2017)
P‐137
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.138
Open Access
EXPERIÊNCIA DO SERVIÇO DE COLOPROCTOLOGIA DA SANTA CASA DE BELO HORIZONTE EM OPERAÇÃO TRANSANAL ENDOSCÓPICA (TEO) DE JUNHO DE 2016 A JUNHO DE 2017
Visits
...
Pedro Cardoso, Matheus Massahud, Patrícia Sant’Ana, Nathalia Omer, Matheus Meyer, Peterson Neves, Áurea Braga
Santa Casa de Belo Horizonte, Belo Horizonte, MG, Brasil
Article information
Full Text

Método: Foram colhidos dados através de formulário em plataforma virtual referentes aos casos de TEO, de junho de 2016 a junho de 2017. Os dados considerados foram: idade do paciente; índice de massa corporal (IMC); classificação ASA; método de imagem usado no pré‐operatório; biópsia pré‐operatória e resultado anatomopatológico; localização da lesão em termos de válvula e quadrante; procedimento feito e técnica de aproximação empregada; uso ou não de tesoura coaguladora; tempo cirúrgico; anatomopatológico da peça cirúrgica; emprego de antibióticos; tempo de permanência hospitalar; e complicações precoces.

Resultados: No período analisado, foram registrados 28 casos. O paciente mais jovem apresentava 16 anos e o mais idoso 86, a média se concentrou nas quinta e sexta décadas de vida. O IMC variou de 19 a 31, com a metade dos pacientes na faixa de 26 a 30 (sobrepeso), dois (7,1%) em obesidade grau I. A classificação ASA mostrou predomínio de ASAII, com 18 (64,2%) pacientes. O método de imagem de predileção no pré‐operatório foi a RNM, em 13 (46,4%) dos pacientes. A análise histológica no pré‐operatório demonstrou predomínio de adenomas tubulovilosos, em 12 (42,8%) casos, seguido por adenoma tubular (seis) e adenoma viloso (dois); 18 das lesões (64,2%) se localizavam ao nível da segunda válvula retal. A maioria das lesões estava nos quadrantes laterais (39,2%), seguido pelo quadrante posterior. A ressecção foi em grande maioria en bloc 26 (92,8%), os outros dois casos em Piecemeal. Em 25 (89,2%) dos casos foi feita aproximação com fios e clipes ou arestas, em três não foi feita aproximação. O tempo cirúrgico variou de 30 a 240 minutos. O uso de antibióticos foi predominantemente profilático (82,1%). A permanência hospitalar foi de um a seis dias, a maioria recebeu alta após dois dias de internação (50%). Foram descritas três complicações.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools