Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 165-166 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 165-166 (November 2019)
855
Open Access
Fatores prognósticos e tempo de sobrevivência em pacientes com tumores neuroendócrinos intestinais: um estudo observacional retrospectivo
Visits
...
M.J. Mascarenhas‐Saraiva, E. Dias, G. Macedo
Centro Hospitalar São João, Porto, Portugal
Article information
Full Text

Área Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria Pesquisa básica

Forma de Apresentação Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s) Os tumores neuroendócrinos intestinais (I‐NETs) configuram um etiologia incomum de neoplasias, com uma incidência de cerca de 0.5 em 100000 habitantes. O objetivo do presente estudo prende‐se com a determinação de fatores clínicos e analíticos com preponderância no follow‐up clínico destes doentes e com direto impacto na sobrevida dos doentes com tumores neuroendócrinos intestinais.

Método Foram observados 63 pacientes com tumores neuroendócrinos intestinais com diagnóstico anátomo‐patológico confirmado num centro terciário de referência entre 2008 e 2019, sendo excluídos pacientes com MEN‐1 (Type 1 Multiple Endocrine Neoplasia) ou síndrome de Von Hippel‐Lindau.

Resultados A localização primária mais frequente foi rectal (39 doentes – 62%), seguida do intestino delgado (15 doentes – 24%) e cólon (9 doentes – 14%). A maioria dos doentes era do sexo feminino (57%). A idade média na altura do diagnóstico foi de 51.5 anos (intervalo 22‐91 anos). A mediana de sobrevida foi de 128 meses. Metástases na altura do diagnóstico (síncronas ou metacrónicas) estavam presentes em 25 pacientes (40%). A idade do paciente superior a 65 anos ao diagnóstico (p<0.0001), o tamanho do tumor primário superior a 25mm (p=0.02), a presença de metástases síncronas (p=0.03) e a presença de um Ki67>5% (p=0.04) evidenciaram‐se como fatores independentes de prognóstico adverso.

Conclusão(ões) Similarmente às séries de casos previamente publicadas, a idade ao diagnóstico, o tamanho do tumor primário, ausência de angioinvasão ou invasão locorregional, traduzem‐se em melhores outcomes clínicos neste subgrupo de doentes.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools