Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 10 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 10 (November 2019)
531
Open Access
Fístula colovesical, origem complexa
Visits
...
A.F.S. Takahashia, L.R.C. Barrucia, I.R.B. Orsob, D.M.R. Limab, G. Kurachib, R. Nitscheb, U.E. Sagaeb
a Centro Universitário Fundação Assis Gurgacz (FAG), Cascavel, PR, Brasil
b Gastroclínica Cascavel, Cascavel, RS, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar caso de fístula colovesical (FCV) de causa complexa com origem determinada por anatomopatológico.

Descrição do caso: Paciente masculino, 43 anos, branco. Queixa‐se de dor abdominal, obstipação e emagrecimento de 12kg há 8 meses. Relata piora da dor abdominal e náusea procurando pronto atendimento. Realizado tomografia computadorizada (TC) demonstrando processo inflamatório de cólon esquerdo associado a divertículo e borramento de gordura. Submetido ao tratamento com Ciprofloxacino e Mesalazina por 30 dias, com melhora parcial relatando cólicas e obstipação. Após 2 meses apresentou pneumatúria, e nova TC demonstrou FCV, dilatação intestinal e coprostase. Encaminhado retossigmoidectomia laparoscópica cujo diagnóstico intraoperatório identificou bloqueio pélvico com fístula sigmoide‐vesical e gânglios em raiz da artéria mesentérica inferior. Realizado colectomia clássica com linfadenectomia e na avaliação da peça cirúrgica constatou tratar‐se de um câncer de sigmoide fistulizado para bexiga, foi ampliada a cirurgia com cistectomia parcial. O anatomopatológico constatou fístula, adenocarcinoma de sigmoide e doença de Crohn. Foram identificados 52 linfonodos na peça cirúrgica livre de neoplasia, cuja conclusão foi de adenocarcinoma de sigmoide, grau II e tipo tubular. Margens livres e distante da cirurgia 24cm e aproximadamente 22cm distal. Há sinais de severa estenose e dilatação intestinal a montante da bexiga com doença inflamatória sem neoplasia com trajeto fistuloso. Presença de sinais histológicos preditivo de instabilidade de microssatélites: reação inflamatória de doença de Crohn‐like.

Discussão: A fístula enterovesical compõem cerca de 80% das fístulas urogenitais. A principal causa de FCV é a doença diverticular de sigmoide responsável por cerca de 2/3 dos casos, seguida de neoplasia e doença de Crohn. A incidência de fístula é cerca de três vezes maior em homens do que em mulheres devido a interposição do útero entre colón sigmoide e bexiga. Não existem critérios diagnósticos de FCV. O diagnóstico baseia‐se nos sintomas de pneumatúria e fecalúria em 41%‐85% e achados de ar livre na bexiga nos exames de imagem. O relato tem valor devido à dificuldade no diagnóstico porque era um jovem com neoplasia, história clínica pobre para doença de Crohn e no exame radiológico sugeriu como primeira suspeita a diverticulite e na segunda tomografia a doença diverticular complicada com fístula colovesical, mas com o tratamento cirúrgico e estudo anatomopatológico demostrou se tratar de uma doença inflamatória que evoluiu para neoplasia, com sub‐oclusão e fístula colovesical.

Conclusão: As FCV possuem diversas causas e requerem investigações minuciosas. Este caso tem valor científico devido associação de doenças e sucessão de eventos que levaram a FCV. O diagnóstico final, pelo anatomopatológico trata‐se de uma doença inflamatória crônica com evolução para neoplasia, com perfuração bloqueada pela bexiga e evolução para fístula.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools