Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 22 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 22 (October 2018)
P131
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.048
Open Access
FÍSTULA RETO‐URETRAL EM PACIENTE PORTADOR DE DOENÇA DE CROHN: RELATO DE CASO
Visits
...
Gabriel Alcarás de Goes, Bruna Zini de Paula Freitas, Brunno Augusto Jose da Costa, Daniel de Castilho, Danilo Toshio Kanno, Carlos Augusto Real Martinez, Paula Cristina Steffen Novelli
Hospital Universitário São Francisco na Providência de Deus, Bragança Paulista, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Qualificada como uma doença inflamatória intestinal (DII), a doença de Crohn (DC) caracteriza‐se pelo caráter crônico, transmural e recidivante, que pode afetar qualquer porção do trato gastrointestinal, principalmente cólon e intestino delgado. Em sua forma penetrante e perianal, constitui‐se um agravante da doença, afetando não só a qualidade de vida do doente, mas como também risco de sepsis perineal e perda da função esfincteriana anal. As manifestações do Crohn perianal (CP) mais comuns são plicomas inflamatório, fissuras, úlceras, abscessos, fístulas, estenose anal e incontinência anal. A fístula reto‐uretral (FUR) é muito rara, geralmente conseqüente a cirurgias prostáticas ou retais, e mais raramente, a outros tipos de trauma, radioterapia e doença de Crohn.

Relato de caso: L.A.S., 27 anos, sexo masculino, com diagnóstico de DC pancolônica e de íleo terminal há 2 anos, evoluiu com manifestações perianais e saída de urina via retal. Foi submetido a uretrocistografia, a qual evidenciou suposta fístula reto‐uretral. Para confirmação, foi realizado exame proctológico sob anestesia (EPA): identificado vários plicomas inflamatórios e ulcerações na borda anal, e concomitante, foi feito a cistoscopia pela equipe da urologia, que se confirmou um trajeto fistuloso da uretra membranosa para a parede póstero‐lateral direita do reto. Diante dos achados, foi optado por antibiótico e corticoterapia na fase aguda da doença, na manutenção o uso de terapia anti‐TNF e após, em programação de uretroplastia cirúrgica.

Discussão: O Brasil ainda é considerado área de baixa prevalência de DII, mas apresenta aumento significativo da incidência destas doenças. O fato de não representarem entidades de notificação compulsória, somado ao seu difícil diagnóstico, leva a pensar na existência de muitos doentes subdiagnosticados. Com isso, muitos indivíduos mantém a doença sem controle, favorecendo o aparecimento de complicações, entre elas, as fístulas, que ocorrem em mais de 35% dos pacientes durante a evolução da doença. Em relação às manifestações do CP,a menos comum é RUF, pouco relatada na literatura. Os sintomas são fezes aquosas, fecalúria e pneumatúria, e o diagnóstico pode ser feito através de EPA, cistoscopia, TC com contraste via retal, e uretrocistografia miccional. A terapêutica das RUFs pode ser desde medicamentosa (ATBs, corticoides, terapia anti‐TNF) quanto cirúrgica, envolvendo uretroplastia, avanço de retalhos, cola de fibrina.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools