Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 25 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 25 (October 2017)
TL6‐057
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.356
Open Access
FÍSTULA RETOVAGINAL NA DOENÇA DE CROHN: QUAL É A ABORDAGEM TERAPÊUTICA EM UM CENTRO DE REFERÊNCIA?
Visits
...
Idblan Carvalho de Albuquerque, Raquel Lins‐Mota, Bruna Lima Daher, Eduardo de Souza Andrade, Galdino José Sitônio Formiga
Hospital Heliópolis, São Paulo, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A doença de Crohn (DC) é a segunda causa de fístula retovaginal (FRV), é responsável por 36% dos casos. Apesar dos avanços no tratamento da doença, o manejo das FRV permanece um desafio.

Métodos: Análise retrospectiva de prontuários de 2007 a 2016 de pacientes com FRV associada a DC.

Resultados: Foram selecionadas 18 pacientes e excluídas quatro por perda do seguimento. Todas apresentavam FRV baixa ou anovaginal. A média foi de 36,1 anos. Foi instituída terapia medicamentosa (anti‐TNF isolado ou associado a imunossupressor) e cirúrgica com curetagem do trajeto fistuloso e locação de seton (média de 5,5 EPAs/paciente) para todas. O tratamento cirúrgico definitivo foi feito em oito pacientes. Assim distribuídos, cinco a avanço de retalho mucoso vaginal (ARV), um a fistulotomia com reconstrução de períneo, um a AAPR e um a colectomia segmentar com colostomia terminal. O fechamento da fístula foi de 78,5%, 84% no tratamento clínico associado a cirurgia de controle de danos e 80% no ARV. A paciente submetida a fistulotomia com reconstrução de períneo não obteve cicatrização perineal. Todas usaram antimicrobianos em algum momento do tratamento. O procedimento de ARV não apresentou complicações pós‐operatórias.

Discussão: Não há consenso sobre a melhor estratégia terapêutica da FRV por DC. O tratamento clínico inclui o uso antimicrobianos, imunossupressores e terapia biológica. A abordagem cirúrgica compreende os procedimentos para controle do dano e na ausência de inflamação podem ser feitas técnicas cirúrgicas definitivas. Nessa amostra, a associação do tratamento medicamentoso e cirúrgico foi efetivo no fechamento das fístulas. O ARV apresentou excelente taxa de sucesso terapêutico.

Conclusão: A combinação de tratamento medicamentoso e procedimentos cirúrgicos para controle do dano foi efetiva no fechamento da fístula retovaginal. E na ausência de inflação o ARV apresentou ótimos resultados, é uma boa opção de tratamento definitivo.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools