Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 95-96 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 95-96 (November 2019)
666
Open Access
Forma pseudotumoral da equistossomose em canal anal
Visits
...
V.M.D. Santos, J.Ed.O. Santos Filho, A.L.A. Vieira, M.A.M. dos Santos, A.R. Moura, A.C.R. Lisboa, J.T.R. Santos, R.R. Santiago
Universidade Federal de Sergipe (UFS), Aracaju, SE, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Infecciosas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): A Equistossomose tem uma variabilidade de apresentações clínicas acometendo principalmente o aparelho digestivo. A suspeição diagnóstica é dada em função do quadro clínico, dos dados epidemiológicos sendo o diagnóstico confirmado pelos exames laboratoriais. Apesar de rara, a forma pseudotumoral intestinal é importante devido a sua sintomatologia e por simular outras patologias, dificultando seu diagnóstico. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo descrever a evolução de um paciente com esta apresentação da patologia.

Descrição do caso: Paciente R.D.S., masculino, 63anos, diabético, procedente de Laranjeiras, Sergipe. Apresenta queixas de constipação intestinal, hematoquezia de longa data associada a episódios de saída de nodulação pelo canal anal ao evacuar. Ao exame, apresentava prolapso de lesão irregular e tumoração palpável em canal anal. Foi solicitado retossigmoidoscopia que evidenciou lesão ulcerada em reto distal e pólipos em reto superior e médio, realizadas polipectomias e biopsia. O anatomopatológico evidenciou adenoma tubular com displasia de baixo grau em pólipo do reto alto, hiperplásico em reto médio e processo inflamatório crônico leve com a presença de ovos de Schistosoma sp. em lesão ulcerada. Foi prescrito praziquantel e solicitada colonoscopia. Retornou com colonoscopia normal. Solicitada retosigmoidoscopia para avaliação do canal anal, onde observou‐se lesão idêntica à anterior. Realizada biópsia excisional de tumor em reto distal. O anatomopatológico evidenciou tecido anorretal com processo inflamatório crônico granulomatoso com numerosos ovos de Schistosoma sp. e intensa fibrose, evoluindo com cicatrização completa da lesão.

Discussão e Conclusão(ões): Apesar de rara, a forma pseudotumoral intestinal é importante pelos sintomas e pelas complicações que causam (estenose, obstrução, intussuscepção, volvo ou compressão das alças intestinais). Lesões simulando úlceras em canal anal não são comuns. Diagnósticos diferenciais como fissura, neoplasia de canal anal e doenças sexualmente transmissíveis nos levou a realização da biopsia excisional para elucidar o diagnóstico, uma vez que a biópsia incisional poderia não contemplar uma hipotética área com neoplasia. A forma pseudotumoral da esquistossomose é uma afecção tratável e com uma boa evolução, porém é necessária uma melhor investigação para se excluir os diagnósticos diferenciais dessa apresentação peculiar, uma vez que, o retardo em certos diagnósticos como neoplasias malignas, terá uma implicação importante para o prognóstico do doente.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools