Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 95-96 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 95-96 (October 2017)
P‐052
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.053
Open Access
HÉRNIA PERINEAL – REPARO COM ABORDAGEM PERINEAL
Visits
...
Johanna Johann, Daniel Azambuja, Luana Bringhenti, Tatiana Mie Masuko, Gabriela Ott Wagner, Wagner Artigara Junior, Camila Carvalho
Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Hérnias perineais representam uma complicação de amputação abdominoperineal do reto em 0,6 a 1% dos casos. No geral, são assintomáticas, mas podem se apresentar com dor, disúria ou obstrução intestinal. Nesse caso, é indicado o reparo, que pode ser feito via abdominal, perineal ou mista.

Relato de caso: Paciente masculino, 62 anos, história de tumor de reto baixo operado havia seis anos, em seguimento oncológico, sem evidência de recidiva. Fora submetido a amputação abdominoperineal do reto e evoluiu com abaulamento em períneo. Referia incômodo e episódios de suboclusão. Ao exame, apresentava abaulamento em períneo posterior, redutível, de 10cm. A tomografia evidenciou hérnia perineal com alças de intestino delgado no saco herniário, sem obstrução ou sofrimento. Foi submetido ao reparo herniário eletivo.

Técnica cirúrgica: Com o paciente em posição de litotomia, foi feita incisão elíptica, seguida de dissecção do saco herniário. O conteúdo foi reduzido e o saco herniário mantido. O diâmetro do defeito era de 7 x 7cm. Os ligamentos sacroespinhosos, anococcígeo e o corpo perineal foram identificados e expostos. O remanescente dos músculos elevadores do ânus foi aproximado. O saco herniário foi interposto entre as alças e a tela. Uma tela de polipropileno de 10 x 10cm foi fixada com pontos simples nos reparos anatômicos descrito. Fechamento do subcutâneo e da pele, sem deixar dreno. O paciente evoluiu bem, com alta no segundo pós‐operatório. Não houve recorrência da hérnia em 24 meses.

Discussão e conclusão: Hérnias perineais são, usualmente, complicações de cirurgias extensas. O fechamento primário da parede pélvica, junto de medidas contra infecção, é importante na prevenção. O reparo permanece um desafio cirúrgico. Apesar de inúmeros métodos descritos, a abordagem ideal ainda não foi bem estabelecida devido à baixa prevalência. Relatamos a abordagem via perineal como uma técnica segura e efetiva e que pode ser executada com baixa morbidade e bons resultados.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools