Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 22 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 22 (November 2019)
294
Open Access
Hidradenite e cec de ânus: um relato de caso
Visits
...
M.T. Jatobá, U.C. Marques, J.C. Apolinario, M.A. Hijazi, R.M. Macedo, M.F. Carneiro, T.Z. Carniel, R.R. do Prado
Hospital São Francisco, Ribeirão Preto, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças malignas e pré‐malignas dos cólons, reto e ânus

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Descrever um caso de hidradenite que teve como achado carcinoma espinocelular com evolução cirúrgica e oncológica.

Descrição do caso: Paciente J.C.G.J, sexo masculino, 66 anos, procedente de cravinhos, lavrador, hipertenso, ex tabagista, ex etilista, histórico familiar de melanoma (irmã). Antecedente de lesões perianais, com piora dos sintomas há 6 anos com quando foi submetido a ressecção cirúrgica, sem recidivas desde então. Passa por consulta médica, no dia 09/01/2019 com história de dor e lesão peri‐anal, evoluindo com drenagem espontânea de secreção. Refere habito intestinal preservado, nega hematoquezia, nega enterorragia, nega perda ponderal. Ao exame físico, presença de lesão perianal em espelho, com +/‐ 4cm, com área ulcerada drenando secreção, toque retal normal. Realizada exérese de lesão em 14/01/2019. Paciente evolui satisfatoriamente em pós operatório. Em retorno, apresentou anátomo patológico com ‐ “Carcinoma Espinocelular” (CEC) – carcinoma de células escamosas moderadamente diferenciado ulceroinfiltrante, com formação de fístulas em pele e subcutâneo de região peri‐anal. A lesão infiltrava todo o fragmento, com invasão de trajetos nervosos e necrose tumoral junto ao trajeto fistuloso. Paciente encaminhado ao serviço de oncologia para seguimento de tratamento oncológico em serviço público.

Discussão e Conclusão(ões): A hidradenite supurativa (HS) consiste em um processo inflamatório crônico, afeta as glândulas sudoriparas apocrinas, com obstrução do canal glandular por tampões de queratina propiciando a proliferação bacteriana, a etiopatogenia é mal definida podendo estar associado a distúrbios endócrinos, imunológicos, hereditários e exógenos. caracteriza‐se por edema, nódulos dolorosos, prurido, hiperhidrose e drenagem de secreção purulenta, fétida e ocasionalmente com sangue. O tumor do canal anal apesar de raro, apresenta o CEC como sendo o principal tipo histopatológico. pode ter relação com quadro prévio de HPV ou HIV, fístula anal crônica, tabagismo, imunodeprimidos e condições precárias de higiene. com incidência de 1% a 3%, o CEC que surge na HS de longa duração é raro e sua patogênese não é totalmente compreendida. A inflamação de longa duração pode levar ao aumento da taxa de mutações espontâneas, importante no aparecimento de CEC. Tem prevalência maior em afrodescendentes e mulheres, porém a incidência e risco para CEC é maior nos homens. Possui disseminação metastática principalmente locorregional, a distância é rara, acometendo fígado e pulmão, e alta taxa de mortalidade. No caso apresentado, o paciente tinha linfonodo inguinal, exames de imagem sem evidência de lesão metastática. O diagnóstico e estadiamento é feito por biopsia, histopatológico, TC de ABD, pelve e tórax, USG endoanal, RM de pelve e colonoscopia. O tratamento indicado é a radioterapia e a quimioterapia sensibilizante, recomenda‐se o regime nigro modificado. O CEC em HS apesar de raro, tem bom prognóstico se não tiver acometimento secundário, é importante uma boa ressecção com margem e avaliação do AP.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools