Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 58 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 58 (November 2019)
356
Open Access
Hidroadenoma papilífero perianal: relato de caso
Visits
...
L.A. Benjamin, J.M. Pontes, A.A.B. Junior, J.A.C. Queiroz, D.d.A. Andrade, V.M. Ferreira, A.H.S. Oliveira, W.P.d. Silva
Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI), João Pessoa, PB, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Anorretais Benignas

Categoria: Relatos de caso

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Relatar a importância do diagnóstico diferencial das afecções proctológicas, sendo a biópsia obrigatória em lesões anais de apresentação não‐usual, através do relato de um caso de tumoração perianal cujo anatomopatológico evidenciou hidroadenoma papilífero.

Descrição do caso: M.S.L.F., 37 anos, feminino, deu entrada no serviço de coloproctologia com queixa de lesão perianal indolor, de crescimento lento, sem sangramento ou secreção purulenta, há 6 meses. Ao exame físico foi evidenciado lesão perianal com umbilicação central, sem orifício ou secreção, ao toque não apresentou trajeto fistuloso, nem orifício interno. A paciente negava comorbidades ou história de doenças perianais anteriores. Submetida a exérese de lesão perianal, cujo anatomopatológico evidenciou Hidroadenoma Papilífero.

Discussão e Conclusão(ões): O hidradenoma papilífero é um tumor cístico benigno originado nas glândulas sudoríparas apócrinas da região de cabeça e pescoço e anogenital, sendo comum em topografia vulvar e raro na região perianal. As lesões perianais por hidroadenoma papilífero são de maior prevalência no sexo feminino, caucasianas e de meia idade. Manifesta‐se de forma lenta e assintomática, entretanto prurido, dor e secreção ulcerarosa e/ou sanguinolentas podem ser relatadas. A massa cística é, normalmente, bem delimitada, móvel e menor do que 2 centímetros. Tem como padrão histológico hiperplasia adenomatosa com pleomorfismo celular e padrão papilar irregular do ácino sem formação de lúmen, o que motiva uma especulação sobre seu potencial maligno, porém sem estudos significativos nessa área. O diagnóstico diferencial aborda mais comumente hemorroidas externas trombosadas, carcinoma epidermoide e abscesso anal. A excisão local com margem será suficiente para seu diagnóstico, tratamento e cura. Portanto, considerando a diversidade histológica da região anal, as doenças dermatológicas são um diagnóstico diferencial das condições proctológicas. A biópsia é obrigatória para todas as lesões anais com apresentação incomum.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools