Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 143 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 143 (November 2019)
799
Open Access
Incisão transversa baixa supra‐púbica (maylard): uma alternativa para as abordagens cirúrgicas coloproctologicas abdomino‐pélvica‐perineal
Visits
...
C.N. Martins, T. Robles, E.V.A. Pereira, S.A. Ciquini
Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC‐Campinas), Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Cirurgia Minimamente Invasiva, Novas técnicas cirúrgicas/Avanços Tecnológicos em Cirurgia Colorretal e Pélvicas e Anorretais

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Pôster

Objetivo(s): Analisar a utilização como via de acesso abdomino‐pélvica‐perineal da incisão transversa baixa supra‐púbica na abordagem da cavidade peritoneal em cirurgias coloproctológicas de alta complexidade.

Método: A casuística consistiu em 101 cirurgias coloproctológicas por via abdominal laparotômica eletivas, oncológicas e não oncológicas, realizadas por acesso via incisão transversa baixa supra‐púbica (incisão de Maylard) no período janeiro de 2015 a julho de 2019. Realizou‐se 22 (21,8%) abordagens em 2015, 22 (21,8%) em 2016, 18 (17,8%) em 2017, 24 (23,7%) em 2018 e 15 (14,8%) em 2019 com média anual de 20,2 procedimentos. Foram incluídos na amostra pacientes de ambos os sexos, com 52 (51,4%) do sexo masculino e 48 (47,6%) do feminino e, independentes do fator idade. Os procedimentos executados foram: amputações abdomino‐perineal do reto, colectomias esquerda, colostomias, enteropexias, reconstruções de trânsito intestinal colorretal, retossigmoidectomias e sacropromontofixações. A técnica da incisão de Maylard consiste na incisão transversal ao nível das espinhas ilíacas anteriores, preferencialmente em prega cutânea local e pouco arqueada, de todas as camadas da parede abdominal: pele, tecido celular subcutâneo, aponeurose e músculo reto abdominal. Em seguida, são identificados e ligados os vasos epigástricos inferiores, prosseguindo para a abertura peritoneal. As bordas do músculo reto abdominal devem ser aproximadas ao folheto anterior da aponeurose, com pontos de fio absorvível, para evitar a sua retração, podendo este ser executado no início ou final do procedimento. A síntese da parede abdominal respeita preceitos básicos de fechamento por camadas com fios adequados a cada uma delas.

Resultados: A análise dos resultados permitiu avaliar em todos os procedimentos como uma incisão cirúrgica que oferece um bom campo de apresentação cirúrgica e de execução de manobras, possibilitando a ampliação quando necessário, e gerando a reconstrução da parede da forma mais anatômica e cosmética. A avaliação quanto a dor se mostrou controlável com analgesia básica e convencional pós‐operatória em todos os doentes operados. Não houveram eventos respiratórios pós‐operatório. O índice de infecção nestas feridas foi mínimo ficando restrito a pequenas coleções serosas tratadas de forma conservadora. Não houveram eventrações ou eviscerações pós‐operatórias. Na evolução a longo prazo o efeito cosmético foi evidente e apenas uma paciente evoluiu com formação de hérnia incisional atribuída ao mau emprego da técnica de fechamento.

Conclusão(ões): Os autores concluem que a incisão transversa baixa supra‐púbica (Maylard) é uma alternativa ao especialista, quando bem familiarizado com a técnica, para estes tipos de abordagens e procedimentos, representando opção boa e segura, baseado nos resultados encontrados.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools