Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 94 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 94 (October 2018)
P58
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.202
Open Access
INFECÇÃO PRIMÁRIA PELO VÍRUS VARICELA ZOSTER EM PACIENTE COM DOENÇA DE CROHN
Visits
...
Mardem Machado de Souza, Nathália Leite Oliveira Zeitoun, Caroline Azevedo Brim, Paola Patricia Knippelber Escobar, Karla Renata Ayumi Kato, Julia Bedôr Jardim Bastos de Paula Cavalcante, Nicolle Gabrielle Hernandes Seraphim
Hospital Universitário Júlio Müller (HUJM), Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A Doença de Crohn (DC) é um processo inflamatório crônico que pode acometer todo trato gastrointestinal. Terapias biológicas com anticorpos monoclonais contra o fator de necrose tumoral‐α (TNF‐α), incluindo infliximabe (IFX) e adalimumabe (ADA) são comuns no manejo da doença, no entanto, seu uso está associado a infecções oportunistas, incluindo infecção pelo vírus varicela zoster (VVZ). Apesar da grande incidência desta associação, estudos não comprovaram significância clínica, deixando incerto se a infecção está relacionada unicamente com o uso da droga ou se é reflexo da severidade da doença de base.

Relato de caso: Mulher, 31 anos, com diagnóstico de DC há 9 anos com ileocolectomia direita por fístula enterocutânea e fístula retovaginal crônica. Atualmente, em uso de Azatioprina 100mg/dia e ADA 40mg (iniciado em janeiro de 2018), ciclos quinzenais. Paciente veio ao serviço com queixa de aparecimento de lesões papulares, há 4 semanas, inicialmente localizadas apenas em flanco e dorso à direita, evoluindo com vesículas, úlceras e crostas e disseminação para todo corpo. Nega sintomas sistêmicos e está assintomática da doença de base. Ao exame físico, presença de lesões micropapulares, vesiculares e crostas em face, couro cabeludo, tronco e membros. Além disso, presença de enantema em mucosa oral. Encaminhada à internação hospitalar no HUJM, e suspenso infusões de ADA. Durante internação, iniciado Aciclovir (500mg 8/8h IV por 10 dias), com paciente apresentando boa evolução clínica, e mantendo‐se assintomática da DC, com melhora das lesões, e ausência de complicações.

Discussão: A manutenção dos anti‐TNF tem como importantes efeitos adversos as infecções oportunistas, sejam elas por bactérias ou vírus, principalmente no que diz respeito aos primeiros anti‐TNF (IFX, ADA e etanercepte). Entretanto, são utilizados como opção à resposta incompleta ou ausência de respostas às drogas de base como corticoides e metotrexato. A reativação do VVZ pode ocorrer em casos de imunossupressão, visto que se encontra na forma latente após primo infecção, manifestando‐se de forma mais grave nos imunocompetentes do que nas crianças, necessitando, de maior cuidado para evitar progressão da infecção agravada pelo tratamento da doença de base.

Conclusão: A terapia biológica pode apresentar efeitos indesejáveis, dentre elas a imunossupressão, fazendo necessário o acompanhamento médico, a fim de diminuir a morbimortalidade.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools