Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 94-95 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 94-95 (October 2018)
P59
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.203
Open Access
INFLAMAÇÃO GASTROINTESTINAL E DERMATOMIOSITE: UM RELATO DE CASO
Visits
...
Franscisco de Assis Gonçalves Filho, João Antonio Feriani Nunes, Camilla Ferreira Magalhães, Aline Nunes Amaro, Miguel Cerutti Franciscatto, Thais Andreotti, Adriana Brianez
Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP), São José do Rio Preto, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: Dermatomiosite (DM) é uma doença sistêmica crônica caracterizada pelo acometimento inflamatório dos músculos e pele. O envolvimento do sistema gastrointestinal geralmente é leve, manifestado por refluxo esofágico, disfagia e dismotilidade. A inflamação da mucosa intestinal manifestada por erosões, úlceras e perfurações é incomum.

Relato do caso: Paciente feminina, 46 anos, apresentou erupções cutâneas associada à fraqueza muscular de cintura escapular e pélvica em 2016. Os achados de eletroneuromiografia e biópsia muscular confirmaram o diagnóstico de miosite. Foi tratada com metilprednisolona endovenosa seguido de prednisona e metrotexato. Após alguns meses, o metrotrexato foi substituído por azatioprina devido a alopecia. Em 2017 ocorreu exacerbação da doença sendo indicado terapia com imunoglobuina. Seguiu‐se tratamento com hidroxicloroquina, imunoglobulina e prednisona, com significativa melhora sintomática. No início de 2018 apresentou quadro clínico de diarréia, vômitos, dor e distensão abdominal. Realizado tomografia de abdome que mostrou panenterocolite. Tratada com antibióticos e mesalazina, apresentando melhora parcial do quadro. Após três meses procurou atendimento por perda ponderal de quinze quilos, dor abdominal persistente, diarréia, febre e hematêmese volumosa. Os achados de tomografia de abdômen foram compatíveis com enterite. A gastroduodenoscopia demonstrou múltiplas úlceras hemorrágicas no esôfago inferior, na região justapilórica e bulbar. Retossigmoidoscopia flexível encontrava‐se dentro da normalidade. Não realizado colonoscopia pela instabilidade hemodinâmica. Pesquisa para citomegalovírus foi negativa. Paciente evoluiu com sepse abdominal e pneumonia aspirativa não responsiva a medidas e foi a óbito.

Discussão: A inflamação gastrointestinal em adultos com DM não é bem reconhecida e definida. As manifestações descritas na literatura incluem dor abdominal, diarréia e sangramento gastrointestinal associado a alta mortalidade. A distinção entre doença de Crohn torna‐se difícil por não haver um critério bem definido.O uso do metotrexato é conhecido por causar ulceração envolvendo a mucosa oral e trato gastrointestinal superior, no entanto, a atribuição de uma lesão gastrointestinal tão extensa ao uso do metrotrexato é improvável.

Conclusão: A manifestação gastrointestinal da DM na sua forma grave é rara e com alta taxa de mortalidade. O presente relato tem por objetivo alertar sobre essa manifestação de difícil diagnóstico.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools