Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 142 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 142 (October 2018)
TL52
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.304
Open Access
LESÕES ANATÔMICAS ESFINCTERIANAS NA ULTRASSONOGRAFIA ENDOANAL TRIDIMENSIONAL: CORRELAÇÃO COM INCONTINÊNCIA FECAL NOS PACIENTES COM DOENÇA DE CROHN PERIANAL
Visits
...
Umberto Morelli, Maria de Lourdes Setsuko Ayrizono, Raquel Franco Leal, Claudio Saddy Rodrigues Coy
Grupo de Coloproctologia, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, SP, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: A incidência de Doença de Crohn Perianal (DCP) varia entre 20% e 25% dos pacientes com doença de Crohn. A avaliação padrão da DCP consiste no exame clínico, associado frequentemente a exame sob anestesia, e complementado com exame de imagem como Ressonância Magnética Nuclear ou Ultrassonografia Endoanal (USEA).

Objetivo: Avaliar as lesões esfincterianas na DCP, utilizando a USEA, e correlacionar estes achados com a Incontinência Fecal (IF), por meio do escore de Jorge‐Wexner.

Casuística e método: Estudo transversal observacional, com pacientes com DCP, maiores de 18 anos, de ambos os sexos. Todos os pacientes foram submetidos à avaliação clínica e responderam a um questionário para o cálculo do escore de Jorge‐Wexner. Realizou‐se USEA 2D e 3D, sendo também quantificados os escores de Starck e de Starck modificado por Caldaro.

Resultados: Quarenta pacientes foram incluídos no estudo, sendo 26 (65%) do sexo feminino, com média de idade de 32,98 (19‐57) anos. Dez doentes (25%) apresentavam apenas envolvimento perianal da doença; 11 (27,5%) também tinham acometimento do reto; sete (17%), ileocólico; seis (11%), do íleo e seis (11%), do cólon. A média do escore de Jorge‐Wexner foi de 4,18, do escore de Starck de 9,88 e de Starck Modificado de 11,93.

Conclusão: Pacientes com DCP apresentaram significativas lesões anatômicas do aparelho esfincteriano, porém não houve correlação destas com a ocorrência de IF. O comprimento da lesão do esfíncter anal interno e o tamanho das lesões do esfíncter anal (interno e externo) tiveram correlação com o escore de Jorge‐Wexner, podendo ser preditores da ocorrência de IF após procedimentos cirúrgicos, neste grupo de pacientes.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools