Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 168 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 168 (October 2017)
P‐223
Open Access
MANEJO DE CATÁSTROFE ABDOMINAL: RELATO DE CASO
Visits
6197
Natasha Caldas, Fábio Rodrigues, Samara Naser, Nimer Medrei, André Silva
Hospital da Região Leste, Brasília, DF, Brasil
This item has received

Under a Creative Commons license
Article information
Full Text

Introdução: Catástrofe abdominal é condição clínica importante, de alta mobimortalidade, geralmente ocorrida durante o tratamento de desordens abdominais não traumáticas, definida como peritonite originada em víscera. Inclui, além de peritonite secundária, sinais de sepse, síndrome compartimental abdominal, formação de fístulas enterocutâneas e aderências. A maioria dos casos requer intervenções cirúrgicas – laparotomias programas/sob demanda. Período pós‐operatório deve ser feito em regime de tratamento intensivo para estabilizar o paciente, fornecer apoio metabólico, nutricional e tratamento adequado da sepse.

Descrição do caso: Paciente, 58 anos, chagásico, admitido por volvo de sigmoide associado a sepse. Feita sigmoidectomia com anastomose primária, evoluiu com deiscência de anastomose e peritonite fecal. Reabordado diversas vezes por peritonite purulenta, deixado em peritoniostomia devido a abdômen congelado e fístula entérica sem possibilidade de orientação. Conseguiu‐se então exteriorizar 20cm de alça intestinal. Devido a importante retração da musculatura abdominal, não foi possível a ostomia, foram usados curativo a vácuo e placa de hidrocoloide para isolamento da cavidade e reconstrução de parede abdominal. Atualmente, segue sob cuidados da equipe, com melhoria importante da quantidade de secreção purulenta abdominal, porém ainda necessita de abordagens programadas.

Discussão: O adequado manejo da catástrofe abdominal tem evoluído progressivamente desde o início do século, porém permanece um desafio para cirurgiões. A possibilidade de acesso à cavidade abdominal de maneira recorrente pode diminuir a mortalidade de 87% para 30%, de acordo com dados da literatura. Por serem pacientes graves, é importante evitar abordagens prematuras ou desnecessárias, sem, contudo, postergar o ato cirúrgico.

Conclusão: Manejo de catástrofe abdominal exige grande comprometimento da equipe para com o paciente, é de difícil realização. Uso de tecnologias, como o curativo a vácuo, e laparotomias programadas em pacientes nessa situação permite o melhor manejo clínico‐cirúrgico, controla o foco de infecção intra‐abdominal e permite alcançar condições adequadas para a resolução do caso.

Idiomas
Journal of Coloproctology
Article options
Tools