Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 213 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 213 (November 2019)
477
Open Access
Manifestações extra‐intestinais em pacientes do núcleo de doença inflamatória intestinal de cuiabá ‐ mt
Visits
...
J.B.J.B.D.P. Cavalcante, V.T. Atakiama, C.V. Ormonde, N.L.O. Zeitoun, M.D.S. Machado, C.H.D.A. Salles, W.D. Moreno
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, Brasil
Article information
Full Text

Área: Doenças Inflamatórias Intestinais

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Traçar o perfil epidemiológico de pacientes com Doença Inflamatória Intestinal (DII) em associação com Manifestações extra‐intestinais (MEI) do Núcleo de Doença Inflamatória Intestinal de um hospital universitário de Cuiabá – MT além de relacionar os tratamentos empregados.

Método: Foram analisados os prontuários de todos os pacientes com DII do Núcleo de Doença Inflamatória Intestinal de um hospital universitário de Cuiabá e selecionados aqueles que apresentaram qualquer MEI durante seguimento. Em seguida, discriminou‐se o perfil epidemiológico desses pacientes, o diagnóstico da DII, a forma da MEI além dos tratamentos empregados.

Resultados: Neste levantamento foram identificados um total de 137 pacientes com DII. Destes, 21 (15,3%) pacientes apresentaram alguma MEI durante o seguimento. A partir destes pacientes, 38% tinham diagnóstico de Doença de Crohn (DC) e 61% de Retocolite Ulcerativa (RCU). Os pacientes estavam distribuídos igualmente entre os sexos. A média de idade destes 21 pacientes é de 44,9 anos (24 até 78 anos). Os achados extra‐intestinais em pacientes com DII foram de 9 casos (42,8%) com afecções articulares (artrites e artralgias), 7 (33,3%) com afecções de pele (2 hidradenite supurativa, 2 pioderma gangrenoso, 2 psoríase e 1 com vitiligo), 4 (19%) com colangite esclerosante primária, 3 (14,3%) com afecções visuais (1 uveíte, 1 diminuição da acuidade visual e 1 com lesão de retina), 1 (4,8%) com fenômeno tromboembólico (trombose venosa de membro inferior) e 2 (9,5%) com acometimentos viscerais (esteatose hepática e nefrolitíase), tendo em alguns casos mais de uma MEI. Dos 21 pacientes, 12 (57,1%) utilizam imunobiológicos e 9 (42,9%) não fazem uso desta classe.

Conclusão(ões): Embora nossos achados de MEI tenha sido de 15,3%, a literatura traz um intervalo de prevalência que alcança valores de 21 a 47%. Além disso, foram encontrados dados de pacientes com DII associado a MEI nesse serviço superiores para todos os tipos de afecções específicas em comparação com outros estudos sendo de 2,8 a 31% para afecções articulares, até 20% para afecções da pele, 2,4 a 7,5% para acometimento hepatobiliar e 2 a 6% para afecções visuais. Pelos achados ficou evidente que as doenças inflamatórias intestinais podem apresentar além dos sintomas gastrointestinais típicos o acometimento de outros órgãos e sistemas e por isso é importante então uma investigação e acompanhamento sequenciados. Foram encontradas manifestações tanto de curso associado à atividade da doença intestinal quanto aquelas que têm curso independente da atividade da doença intestinal. Considerando tal impacto é de extrema importância que o médico assistente valorize tais manifestações que podem inclusive surgir antes das manifestações intestinais.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools