Journal Information
Vol. 38. Issue S1.
Pages 101 (October 2018)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 38. Issue S1.
Pages 101 (October 2018)
P74
DOI: 10.1016/j.jcol.2018.08.217
Open Access
METÁSTASE PENIANA DE CÂNCER DE RETO: UM ACHADO INCOMUM
Visits
...
Denise D’avila Búrigo, André Rodrigues da Silva, Fernanda Serafim Dal Toe, Alessandra Junqueira de Carvalho, Jean Ricardo Silvestre, Giancarlo Búrigo
Hospital São José, Criciúma, SC, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: As lesões metastáticas no pênis são raras, geralmente associadas a tumores primários da bexiga ou próstada. Menos comumente do reto, rins, cólon e testículos.

Descrição do caso: Masculino, 72 anos,história de tumor de reto a 5cm da borda anal, com 4cm de extensão, cuja histologia evidenciou adenocarcinoma pouco diferenciado grau 1 ulcerado, em agosto de 2015. Achado de metástases hepáticas no estadiamento, à tomografia computadorizada (TC), em segmentos IV, VI e VII, a maior com 5,5cm. Realizou quimiorradioterapia neoadjuvante, conduzida pela equipe da oncologia, com 5‐Fluorouracil (5FU) e ácido folínico e 50Gy, com término em janeiro de 2016. Foi então suspenso o tratamento e em ressonância magnética (RM) evidenciada redução das lesões hepáticas e retal. Após perda de seguimento, paciente retornou em outubro de 2016, verificada piora do CEA de 8,9 para 316 e nova progressão das lesões hepáticas à RM, queixou‐se também de lesão vegetante em glande com aparecimento em maio do mesmo ano. Biopsiada lesão peniana, histologia e imunoistoquímica confirmaram metástase de adenocarcinoma do reto. Após novo atraso no seguimento, foi realizada penectomia com equipe da urologia em maio de 2017 e retossigmoidectomia em novembro de 2017. O paciente, até o momento, optou por controle quimioterápico das metástases hepáticas, negou a proposta de tratamento cirúrgico das mesmas. Atualmente em esquema com 5FU, ácido folínico e oxaliplatina (FOLFOX), com CEA de 4,04 e lesões hepáticas com 2,7cm a de maior diâmetro.

Discussão: As metástases mais comuns do câncer colorretal ocorrem em fígado, pulmão, ossos e cérebro. Extremamente raras na região peniana. A teoria mais aceita para o mecanismo de ocorrência é fluxo retrógrado pelo sistema venoso pudendo para o sistema venoso dorsal do pênis, transportando células neoplásicas.

Conclusão: As metástases penianas no câncer colorretal são infrequentes e a biopsia de lesões suspeitas é mandatória. Um seguimento correto no câncer colorretal é de crucial importância.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools