Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 212 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 212 (November 2019)
472
Open Access
Mucosectomia endoscópica de lesões colorretais gigantes: experiência de um centro especializado e seus resultados a curto e médio prazo
Visits
...
M.B. Girotto, A.C. Santos Nogueira, M.L.d.B. Alves, E.d.A. Coelho Junior, I.L. Rinaldi, M.C. Frare, M.M. Cattini, A.A. Abissamra
Hospital Regional de Presidente Prudente, Presidente Prudente, SP, Brasil
Article information
Full Text

Área: Métodos complementares diagnóstico e terapêutica

Categoria: Pesquisa básica

Forma de Apresentação: Tema Livre (apresentação oral)

Objetivo(s): Trabalho tem por objetivo expor a eficácia, resultados e complicações da Mucosectomia Endocópica (EMR) em pólipos colorretais gigantes (>4cm) realizados em centro especializado.

Método: Todas Mucosectomias Endoscópicas realizadas no serviço entre 2014 a 2019 para pólipos gigantes, sésseis ou pediculados, com seguimento entre 3–36 meses com colonoscopia. Foram avaliadas taxas de ressecção em bloco x piecemeal, localização e histologia das lesões, taxas e formas de complicações do procedimento e taxa de recidiva.

Resultados: Total de 25 pólipos gigantes foram ressecados em 25 pacientes, variaram entre 4‐7cm. Local mais frequente das lesões foi o Reto (40%), seguido pelo Ceco (20%) e Sigmoide (20%). Todas as lesões foram ressecadas em uma única sessão. A técnica que foi predominantemente utilizado foi ressecção em Piece‐meal (88%). Das 25 lesões ressecadas, a maioria teve AP benigno (80%), sendo em sua grande parte Adenoma Tubulo‐Viloso (76%). Houve 1 caso (4%) de perfuração intestinal no pós‐procedimento precoce, onde a paciente necessitou ser submetida à Hemicolectomia Direita para reparo da lesão. Quanto ao seguimento, observou‐se taxa de recidiva total de 52% em 36 meses sendo que 38% (5/13) recidivas já foram diagnosticadas nos primeiros 3 meses do procedimento.

Conclusão(ões): EMR é um procedimento com eficácia adequada, com baixa taxa de complicações e recidivas. O seguimento precisa ser feito com controle colonoscópico precoce, e avançado a longo prazo, haja vista o risco, ainda que pequeno de desenvolver recidivas após médio período de tempo (36 meses) de EMR, ainda assim, tal procedimento pode ser empregado como terapia única para a maioria das lesões colorretais gigantes. Ainda, diante do exposto é importante frisar que todas as recidivas foram tratadas com uma nova EMR e, não houve a necessidade de de cirurgia de resgate, nem por malignidade nem por impossibilidade de ressecção endoscópica.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools