Journal Information
Vol. 37. Issue S1.
Pages 99 (October 2017)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 37. Issue S1.
Pages 99 (October 2017)
P‐060
DOI: 10.1016/j.jcol.2017.09.061
Open Access
NEOPLASIAS PRIMÁRIAS SINCRÔNICAS: CÂNCER COLORRETAL E CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS
Visits
...
André Araújo de Medeiros Silva, Samara Naser, Fábio Calandrini Rodrigues, Nimer Ratib Medrei
Hospital da Região Leste do Distrito Federal (HRL), Brasília, DF, Brasil
Article information
Full Text

Introdução: O câncer colorretal é o terceiro de maior prevalência no mundo, é a neoplasia mais comum do trato gastrointestinal, acomete principalmente os indivíduos acima de 50 anos. Cerca de 85% dos casos são diagnosticados na fase avançada da doença, o que justifica a importância das medidas de rastreio e diagnóstico precoce. Em relação aos casos de câncer renal, um dos principais responsáveis pelo seu desenvolvimento é o carcinoma de células renais. O sincronismo de neoplasias primárias é um evento relativamente raro, descrito pela primeira vez em 1879. Porém, sua incidência tem aumentado significativamente nos últimos anos, o sincronismo das neoplasias colorretais e renais é um dos menos prevalentes.

Descrição do caso: Feminino, 49 anos, branca, casada, previamente hígida e sem antecedentes de risco, queixava‐se de desconforto abdominal, sangramento retal e alteração do hábito intestinal havia seis meses. Colonoscopia com presença de lesão estenosante em retossigmoide, correspondia a adenocarcinoma tubular de baixo grau. Os exames de estadiamento permitiram a identificação de uma tumoração que invadia a pelve renal esquerda, correspondia a carcinoma de células renais do tipo células claras. Submetida a colectomia e nefrectomia esquerda. O estudo anatomopatológico das peças confirmou tratar‐se de lesões malignas primárias e sincrônicas.

Discussão: Apesar da alta prevalência de ambas as neoplasias isoladamente, seu diagnóstico simultâneo é raro. Em contrapartida, já se encontra bem estabelecido na literatura o envolvimento dos órgãos genitourinários em pelo menos um dos tumores primários sincrônicos. No caso apresentado, a divergência do padrão histopatológico das lesões permitiu classificá‐las como neoplasias malignas primárias sincrônicas.

Conclusão: Com surgimento de novas evidências e maior compreensão da carcinogênese humana, o diagnóstico dos tumores sincrônicos deixa de ser encarado como uma coincidência, leva a uma melhor investigação das lesões secundárias, por vezes rotuladas como metástase.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools