Journal Information
Vol. 39. Issue S1.
Pages 33-34 (November 2019)
Share
Share
Download PDF
More article options
Vol. 39. Issue S1.
Pages 33-34 (November 2019)
574
Open Access
Neuromodulação sacral como tratamento de incontinência anal e urinária em paciente com sequela de trauma medular – relato de caso
Visits
...
N. Manzano Gonçalves de Souza, V. Garbugio Filho, L. Clivatti, B. Pereira de Lara
Hospital Santa Rita (HSR), Maringá, PR, Brasil
Article information
Full Text

Área Doenças do assoalho pélvico/Fisiologia Intestinal e Anorretocólica

Categoria Relatos de caso

Forma de Apresentação Pôster

Objetivo(s) Aqui apresentamos um caso de paciente jovem, que apresentou incontinência anal devido quadro trauma medular. Incialmente passou por terapia de Biofeedback (30 sessões no total) com pouca melhora. Indicado então neuromodulação sacral com sucesso.

Descrição do caso Paciente do sexo masculino, 37 anos de idade, portador de sequela de trauma após queda andaime há 2 anos. Tem mobilidade preservada, força e sensibilidade inalterada dos membros inferiores, porém ficou incontinente para fezes e urina a partir de então. Procurou atendimento no início de 2018 com escala de Jorge – Wexner de 20. Feito manometria anorretal nesta ocasião com achado de hipotonia esfincteriana anal e sensibilidade retal diminuída. Colonosocpia sem anormalidades. Indicado tratamento com Biofeedback pélvico. Após 20 sessões de fisioterapia pélvica paciente apresentou pouca melhora da incontinência anal, apresentando escala de Jorge – Wexner de 15 (4 – Fezes sólidas, líquidas, e gases, 4 – Uso de forro, 3 – Impacto na qualidade de vida). Fez mais 10 sessões com pouca melhora, escala de Jorge – Wexner de 18 (3 – Fezes sólidas, líquidas, 4 ‐ Gases, 4 – Uso de forro, 4 – Impacto na qualidade de vida). Em meados de 2018 foi indicado implante neuromodulador sacral, com resposta completa satisfatória ao método e continência total anal.

Discussão e Conclusão(ões) Conforme já bem estabelecido, o uso da neuromodulação no presente caso teve sua indicação e efetividade corroboradas pela literatura. A paciente já está completando 1 ano desde o implante do neuromodulador, e continua apresentando total continência com o uso do mesmo e relata qualidade de vida satisfatória. Em estudo avaliando eficácia a longo prazo da neuromodulação sacral, pôde ser observado que a eficácia foi mantida em cerca de metade (52,7%) de todos os pacientes rastreados com neuromodulação sacral para incontinência fecal após um seguimento médio de 7,1 anos.

Idiomas
Journal of Coloproctology

Subscribe to our newsletter

Article options
Tools